Browsing Category

Música

Música

Intervalo comercial com direito a musiquinha

Desde agosto, quando saturamos a paciência de qualquer um com várias tags e memes durante o BEDA, eu tinha dado um tempo nessa vida. Até hoje. Minha amiga linda Tatá me indicou para esse meme autoexplicativo das 20 músicas, traduzido pela Karol Pinheiro. Presumindo que vocês não cliquem no xizinho ali em cima agora e desistam de mim (tudo bem, não vou me ofender), vocês vão ver direitinho o que é logo aqui embaixo.

Caso você queira ir ouvindo de forma mais prática enquanto lê o punhado de abobrinha que eu escrevi, também podem ir por essa playlist maravilhosa que eu fiz no spotify, juntando todos os indicados abaixo (menos baile de favela, porque não sou obrigada, e vermelho, porque não tinha).

1. Sua música favorita: Desalento, Anna Rato

É uma história bem legal. Conheci Anna Rato no fim de semana mais alcoólico da minha vida, na minha fase vida lok com Letícia. Naquele fim de semana, nós começamos a beber na quinta, continuamos na sexta, fingimos que encerramos no sábado e então, no domingo, fomos assistir o por-do-sol no Arpoador. Voltando pra casa, passamos em um evento que estava acontecendo na rua e Anna estava no palco. Amei a voz dela na hora e comecei a ouvir sem parar o CD ao vivo. Talvez vocês conheçam essa música porque agora ela está nas rádios, façam o favor de dar atenção a ela, porque é maravilhosa.

2. A música que você mais odeia: Baile de favela, MC João

Gente………… Essa é a música mais chiclete da vida. Meu ódio por ela não se deve a isso, nem a ser funk (amo funk). Mas a letra é a coisa mais abominável que eu já ouvi na vida e não consigo mais ouvir sem sentir raivinha.

3. Uma música que te deixa triste: All of me, John Legend

Eu sou muito sensível com coisas românticas. 90% do que me faz chorar são coisas românticas. Romance é uma coisa que me deixa muito melancólica. Romance me afeta mais que a morte. Passei muitos meses chorando absolutamente toda vez que ela tocava. Agora passou, com a graça do sem or.

4. Uma música que te lembra alguém: Grace Kelly, Mika

Diretamente do fundo do baú, essa música (maravilhosa) me lembra das minhas melhores amigas mais antigas. Me lembra da gente cantando no quarto, no shopping, na rua. Quase entrou em outra categoria, porque sei a letra toda (incluindo as falas do clipe) e acho que isso é motivo de orgulho.

5. Uma música que te deixa feliz: Elephant gun, Beirut

Fiquei em dúvida entre essa e Butterfly do Jason Mraz (melhor música erótica da vida), mas acabei escolhendo essa por causa da vibe feliz muito específica que ela me traz. É uma que também está ligada a momentos muito importantes e felizes da minha vida, mas o motivo da escolha realmente é porque ela faz com que eu me sinta dançando descalça na grama em um dia fresco de sol.

6. Uma música que te lembra um momento específico: I wanna be yours, Arctic Monkeys

Foi aquele momento do show em que eu saí correndo feito uma louca porque eu precisava cantar ~wanna be you vacuum cleaner~ junto com certas pessoas, pelo bem das piadas internas.

7. Uma música que você sabe a letra inteira: Elephant love medley

Essa resposta é perfeitamente intercambiável com a do item 4. Moulin Rouge, amor eterno amor verdadeiro. Passei muito tempo da adolescência fazendo dueto dessa música na hora do recreio com Naty e jamais esquecerei. Menina Couth pode testemunhar em meu favor.

8. Uma música que te dá vontade de dançar: Bang, Anitta

Em primeiro lugar: se você não gosta de Anitta, cê não tinha nem que tá aqui, gata. Anitta é meu vício do momento e eu tive verdadeiramente que lutar contra a vontade de incluir ela em um milhão de categorias. Mas nessa não dá, porque Bang me dá um desejo infinito e incontrolável de rebolar a minha bunda. Nenhuma outra música no unverso tem tanto poder sobre mim.

9. Uma música que te faz dormir: Vilarejo, Marisa Monte

Não costumo ouvir música pra dormir, mas se ouvisse acho que escolheria vilarejo. Tão calminha, tão gostosa, tão bela a letra. Tenho certeza que geraria sonhos maravilhosos.

10. Uma música que você gosta em segredo: VCR, The XX

Responder essa categoria foi um verdadeiro parto, porque eu não sei gostar de nada em segredo, eu gosto de dividir as coisas boas da vida, sejam elas Taytay, Beatles, Bach ou Ludmilla. O que eu fiz aqui foi dar nó em pingo d’água e escolher algo que eu fui apresentada há pouco tempo e ainda não consegui parar pra explorar direito. Mas é uma ótima música.

11. Uma música que você se identifica: Unwell, Matchbox Twenty

Em algumas coisas eu sou inconstante, em outras eu pareço uma mula empacada. A resposta dessa categoria se mantém a mesma há mais de dez anos — chupa essa manga, mundo! Não sei o que tem nessa música, só sei que ela me define muito, provavelmente desde 1992. É só que “I’m not crazy, I’m just a little unwell, I know right now you can’t tell, but stay a while and maybe then you’ll see a different side of me.” ¯\_(ツ)_/¯

12. Uma música que você amava e agora odeia: ¯\_(ツ)_/¯

Não sei, não consigo, desculpa. Então fiquemos com esse gif da Anitta:

bang

13. Uma música do seu disco favorito: Cabra cega, Anna Rato

Meu último disco favorido é o CD ao vivo da Anna Rato. Desalento pode ser minha música favorita do momento, mas Cabra Cega é maravilhosa e não vem muito atrás. Que letra. Tipo mantra de vida.

14. Uma música que você consegue tocar em algum instrumento: Times like these, Foo Fighters

Essa é meio difícil. Eu fiz anos de aula de violão, e depois dois anos de aula de piano. Não sou boa em nenhum dos dois e faz tanto tempo que to desleixada que provavelmente não sei tocar mais nada, mas resolvi escolher uma das que eu mais gosto de tocar, que também calha de ser uma das minhas músicas favoritas desde muitos anos.

15. Uma música que você cantaria em público: I will always love you, Dolly Parton

Primeiro eu ri dessa categoria e pensei em usar de trocadilho e responder The sound of silence. Depois eu resolvi tentar levar um pouco mais a sério, e pensei que, se forçarmos ligeiramente a barra, eu cantaria I will always love you pra animar mamãe ou uma miga, e Lorelai Gilmore aprovaria essa escolha.

16. Uma música que você gosta de ouvir quando está dirigindo: Don’t look back in anger, Oasis

Mais uma flopada por motivos de: não dirijo há anos. Mas resolvi entrar no clima e imaginar um cenário legal (uma road trip com belas paisagens e sem trânsito). Acho que Don’t look back in anger (amor eterno, amor verdadeiro) se encaixaria muito bem na descrição.

17. Uma música da sua infância: Vermelho, Daniela Mercury

Eu era uma grande fã da Daniela Mercury na primeira infância. Os reflexos disso na minha vida adulta são que até hoje eu eventualmente fico com vermelho na cabeça sem nenhum motivo e sem aviso prévio.

18. Uma música que ninguém esperava que você gostasse: Garota recalcada, Ludmilla

Vocês aqui já estão cansados de saber do meu amor pelas divas brasileiras, mas quando eu fui pra Kansas em agosto de 2015 minha família ficou verdadeiramente chocada com a revelação. Acho que garota recalcada foi a cereja no topo da descoberta.

19. Uma música que quer (ou tocou) no seu casamento: You and Me, Lifehouse

Não casei, não sei se vou casar, e certamente se/quando isso acontecer eu vou sentar e tentar fazer uma escolha mais cool e com mais classe e esse tipo de coisa. Por hora, no casamento imaginário e completamente hipotético que se desenrola na minha cabeça enquanto escrevo isso, ocorre uma cena digna de A Nova Ciderella envolvendo eu, cônjuge e essa música.

20. Uma música que tocaria no seu funeral: Home, Daughtry

Casamento, e então a morte. Adorei a sequência simbólica dos quesitos. Acho que a única escolha realmente fácil de toda essa brincadeira foi essa. Apenas porque eu escolhi muitos anos atrás e acho que ainda se aplica. Acho que essa música tem um quê meio gospel, e a letra é completamente apropriada. Não sei se esse foi o objetivo do autor, mas funcionou.

Essa playlist foi um oferecimento Vizinha da Capitu. Espero que tenham gostado. Sinceramente, nunca sei quem indicar, então sou sempre a estraga-prazeres que não indica ninguém. Paciência. Quem quiser fazer, deixa o link pra eu conferir!

🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂

Ah! E todo mundo já assinou minha newsletter? Juro que sou legal por lá. (E-mails hotmail estão tendo problemas inexplicados, sugiro usarem outro provedor.)

Música

Soundtrack do BEDA

Eu tenho um problema muito sério: passo 99% do meu tempo cantarolando e o 1% restante tentando me controlar para não cantarolar, porque sempre tem alguma música na cabeça. Sempre. Me aproveitando dessa patologia grave, lá no começo do mês eu sugeri para o meu time do BEDA que a gente anotasse as musiquinhas que ficassem na nossa cabeça diariamente para chegar no fim do mês (hoje!) e fazer as playlists mais aleatórias da história da humanidade para vocês. Não é ótimo? (Finjam que sim.)

soundofmusic

Então finalmente chegou o fim do mês mais longo da minha vida e vocês finalmente vão ver o resultado de um mês de aleatoriedades que rondam a minha cabeça. E vai ficar ainda mais aleatório porque eu preferi deixar em ordem cronológica.

Vocês vão perceber — ou não — que só tem 29 músicas na lista. Explicação: o CD 1989 não está no Rdio e minha música do dia 4 era Shake it Off. Para compensar essa falha terrível, vocês podem reservar também um tempinho para assistir esse clipe maravilhoso.

Esse post é parte integrante do meu BEDA. Para saber mais sobre essa cilada leia esse post. Tem sugestão de tema ou pergunta para a minha pessoa? Deixe nos comentários ou entre em contato.

Música

A careless man’s careful daughter

ou A minha história com Taylor Swift

taytay

Eu devo ser a única das minhas amigas que nunca escreveu diretamente sobre Taylor Swift. A explicação pode ser que eu fui uma das últimas a entrar nesse vórtice, com direito a pompa e cerimônia. A verdade é que todo mundo já estava cantando por aí, e eu continuava a resistir, porque — afinal de contas — eu sou eu.

Então certas amigas organizaram uma super festa virtual, me enviaram um link para download do 1989 e me iniciaram nessa vida, usando outras amigas aí como testemunhas.

A partir daí foi ladeira abaixo. Em passos relativamente lentos.

Fiquei muito tempo só no 1989, ouvindo as músicas em loop um milhão e trocentas vezes, até decorar todas sim obrigada. Mas eu sou medrosa e preguiçosa para me expandir musicalmente, e por aí fiquei. Até o Rdio entrar na minha vida.

Eu explico: eu usava o Spotify antes. Como todo mundo deve saber, Spotify não tem TayTay. Baixar música dá muito trabalho (já falei que sou preguiçosa?). Aí um belo dia excelentíssima dona Anna Vitória informou que o Rdio tinha os CDs mais antigos dela, e eu acabei migrando e uma coisa levou à outra… Long story short, aqui estamos nós.

É nesse ponto que vocês estão plenamente convencidos (?) de que eu atualmente sou uma exímia conhecedora de Taylor Swift. Não sou. Mas já viciei em certas drogas pesadas (popularmente conhecido como Speak Now), e comecei a me aventurar no Red. Essa é a extensão minha experiência com a menina Taylor.

Falando sério, essa é a história toda. É por isso que eu sempre me sinto bem por fora quando as migas (cof cof Máfia cof cof) começam a discutir seriamente a vida amorosa dela. E sempre fico chocada com o profundo conhecimento sobre o estilo tayloresco de algumas delas. Admiro de verdade a maior parte da trajetória dela que conheço, mas acho que meu talento para a fangirlagem ficou na adolescência, com o My Chemical Romance (sdds Frank).

Para me sentir um pouco melhor com a minha completa aleatoriedade nessa vida e fazer com que esse post não seja uma completa perda do seu valioso tempo, resolvi seguir o passo das amigas Ana Luísa e Anna Chicória e elencar minhas músicas favoritas da menina Taylorene até agora, sem ordem de preferência (e eu juro que quando voltar de viagem tento reduzir o número de listas, porque vocês com certeza não aguentam mais).

Love story

Eu achava que não conhecia nada de Taylor Swift, até eu começar a ouvir e perceber que conhecia sim uma coisinha ou duas. Um exemplo é Love Story, que eu cantava por aí o tempo todo desde que assisti Cartas para Julieta no avião em 2007, e nem sabia que era dela (logo se vê que eu não tinha nenhuma noção de nada nessa vida). É uma música tão chicletinha e gostosa que tinha que estar nessa lista.

Two is better then one

Outra que eu já conhecia na minha fase pré-Taylor e amava. É um dueto super gostoso, completamente melosinho, exatamente o tipo de coisa que derrete meu coração de manteiga e mais uma que sempre grudou na minha cabeça e me fez cantar por aí para sempre.

22

Aí todas as amigas já amavam a moça e suas músicas, e eu resistia. Então no meu aniversário de 22 anos, reuni um grupo seleto e fui para a balada. O que toca? Claro, 22. Eu, as miga, Taylor Swift, álcool, tretas e de repente eu estava no meio da roda dançando uma música que eu conhecia muuuuito vagamente. Levarei essa memória para sempre.

Clean

A partir daqui, as músicas entraram na lista mais por seus próprios méritos do que pela minha memória afetiva. Clean é uma música meio desprezada no 1989, mas é uma das minhas favoritas (se não a favorita) porque ela me dá uma sensação de alívio e liberdade tão sensacional que eu nem sei. Afinal, that morning gone was any trace of you I think I am finally clean.

All you had to do was stay

Duas coisas a serem sabidas sobre mim: sou carente e tenho complexo de rejeição. Logo, canto essa música histericamente enquanto tomo banho (para quem nunca banhou com TayTay, recomendo).

Wonderland

No final de 2014, elegi essa música a música tema da minha vida pelo simples motivo de que life was never worse, but never better. Afinal de contas, cada um interpreta texto de acordo com as próprias experiências, e a minha interpretação às vezes é bem aleatória.

Sparks fly

Não tenho nenhuma ligação emocional profunda com essa música, mas ela gruda tanto na minha cabeça que só jeová na causa. Ela tem um ritmo animadinho e um jeito peculiar de entrar no seu cérebro e não sair nem com reza braba. Amo de paixão.

Speak now

Idem a tudo o que eu disse acima. Acho que essas duas músicas têm uma vibe muito parecida e muito positiva, além de começarem com “sp” (sim, na minha cabeça isso é relevante, não me perguntem por quê).

All too wellEnchanted

Fechamos o rol com as duas músicas que são apenas uma facada (ou vinte) no meu coração. Elas me fazem doer por dentro dos pés à cabeça, mas por algum motivo, quando elas começam a tocar, eu não consigo não ligar o repeat e me entregar de uma vez por toda a esse vórtice completamente errado. Someone send help.

Bônus: Shake it Off

Que música. Só entrou como bônus porque meu TOC não permitiu uma lista de 11 músicas. Quando eu preciso de um up no humor, quando eu quero dançar, quando estou num carro em Kansas com os primos, é Shake it Off que está lá comigo. Taylor versão Shake It Off é aquela amiga completamente alto astral que você apenas precisa ter do seu lado em alguns momentos.

taytay2

Té mais.

Esse post é parte integrante do meu BEDA. Para saber mais sobre essa cilada leia esse post. Tem sugestão de tema ou pergunta para a minha pessoa? Deixe nos comentários ou entre em contato.

Blogagem coletiva, Música

Minha história em dez músicas

Eu sei que meu último post foi uma tag, o que significa que, pelos meus comportamentos perfeccionistas, eu não deveria postar outra “blogagem coletiva” agora. Mas a Anna desenterrou esse meme de algum lugar, convocou as tropas e eu apenas não sei resistir a uma furada.

1. Uma música que te lembre um momento bom.

Elephant love medley – Essa música não me lembra um bom momento, na verdade. Me lembra vários. Vários dias dos bons tempos de escola em que eu fazia dueto dessa música com a Naty apenas porque sim, porque era legal saber a letra toda e o que entra onde. E porque Moulin Rouge.

2. Uma música que defina a sua vida.

Unwell (Matchbox Twenty) – De uma maneira bem perturbadora, essa música virou o tema oficial da minhas personagem nessa vida aos doze anos de idade, e nada mudou desde então. Afinal, eu não sou louca, só estou um pouco indisposta. Mas fiquem mais um pouco e talvez vocês vejam um outro lado de mim. Né, gente?

3. Uma música que te faz dançar na balada.

Timber (Pitbull feat. Ke$ha) – De todas as muitas músicas que me dão vontade de dançar, essa tem um pode especial. Viro quase uma lacraia com convulsão, e I’m not even sorry. Não sei que tipo de demonho me possui nesses momentos. Me julguem.

4. Uma música que foi tema de algum relacionamento.

Sumertime sadness (Lana del Rey) – Okay, né. Acredito que não seja o que vocês esperavam, mas como o item não dizia que tinha que ser um relacionamento romântico, escolhi essa que acabou se tornando o melô das aventuras do casal fictício Clara e Marina nas noites cariocas (apenas entendedores entenderão, sorry). Bons tempos.

5. Uma música que sempre te faz chorar.

All of Me (John Legend) – Espero que nesse ponto da vida vocês já estejam sabendo perfeitamente que eu sou uma máquina desgovernada impulsionada por sentimentos. Eu apenas não tenho controle, e nem meu chorômetro, o que significa que não é difícil me pegar aos prantos com livros, filmes e séries. Agora, com música, essa foi a primeira. Não que meu coração não se parta em mil pedaços ouvindo muitas canções. Mas essa me faz apenas abrir o berreiro em qualquer lugar (true story, já chorei até em ônibus com ela).

6. Uma música que seria toque do seu celular.

Blow  (Ke$ha) – Essa foi uma escolha meio aleatória, apenas porque a risadinha sinistra do começo sem-pre me assusta e achei que poderia ser diver(?) ter como toque. Pelo menos das primeiras dez vezes que o celular tocasse.

7. Uma música que você gostaria de tatuar.

Wake me up (Avicii) – Como bem disse Analu, não tenho vontade de tatuar nenhuma música no corpo, mas gosto pra caramba da letra dessa música, e é algo que eu super tatuaria na alma como símbolo do meu momento de vida atual.

8. Uma música que te deixa com vontade de ficar com alguém.

Kiss me (Ed Sheeran) – Essa música faz meu coraçãozinho tremer junto com algumas outras partes do meu corpo, gente. Logo, ela me faz sentir exatamente como eu gostaria que alguma pessoa me fizesse sentir, fisicamente falando (com um toquezinho também de emocional, por que não?).

9. Uma música em que você está viciada agora.

Stay (Taylor Swift) – Infelizmente, não tem vídeo, mas é uma música que me faz cantar com a alma durante os meus banhos semanais com TayTay (tomo banho todo dia, só mudo a trilha sonora, tá?), apenas porque sim. Não sei. Ando meio viciada no CD como um todo, mas resolvi escolher essa porque foi a primeira que veio na minha cabeça — logo, devemos ter alguma conexão emocional especial.

10. Uma música que faz as pessoas lembrarem de você.

Também roubei nesse item. Roubei duas vezes, na verdade. A primeira porque fui correr atrás de umas amigas pra responderem a questão por mim, a segunda porque acabei escolhendo duas músicas.

Buquê de flores (Thiaguinho) – Apenas imagino a cara WTF de vocês nesse momento. Mas tem uma história por trás. Lá pelos idos de 2012, entrei em contato (pela milésima vez) com essa música de alguma forma e pus-me a refletir. A reflexão virou uma publicação no facebook (abaixo), e a epifania foi tão marcante que sobrevive até hoje no imaginário popular. Em minha defesa, ainda acho que eu estava certa.

Do I Wanna Know? (Arctic Monkeys) – Porque é uma música sensacional, porque sim, porque eu entro em loops eternos e errados com ela, e porque eu fiz minha amiga prometer me abraçar quando essa música tocasse no show. Só para registro: ela cumpriu a promessa.

Fim de meme, foi muito legal brincar com vocês. Amei bizarramente responder a essas perguntas, mesmo porque a esmagadora maioria das respostas simplesmente tenha surgido na minha mente de forma espontânea. E quem me conhece sabe, também, que eu baseio parcela importante da minha vida na espontaneidade (inclusive na hora de nomear objetos).

Espero que tenham gostado e deixem o link das suas respostas para eu conferir, caso resolvam brincar também.

Música

Me cantando

Tudo começou quando a Anninha surgiu com essa ideia de meme, e eu achei tão legal que fui fazendo antes mesmo de ser indicada. Aí chegou minha vez, quando a linda da Lari me indicou, e eu ainda não tinha tudo pronto. Acontece que, na hora do vamos ver, é muito mais difícil fazer uma escolha do que a gente pressupõe no começo. Mas, como boa rabiscadora de margem de caderno que sempre fui, enchendo todos os espaços vazios com letras de músicas que não me saiam da cabeça, não me dei por vencida e montei minha lista. Não garanto que está perfeita, mas está muito boa para mim.
Lá vamos nós
But it’s just the price I pay
Destiny is calling me
Open up my eager eyes
‘Cause I’m Mr. Brightside
Questions of science, science and progress
Then don’t speak as loud as my heart
What if there was no light
Nothing wrong, nothing right
Every step that you take
Could be your biggest mistake
It could bend or it could break
That’s the risk that you take
Ninguém vai nos perdoar
Nosso crime não compensa
I want you to notice
When I’m not around
You’re so fucking special
I wish I was special
Foi bom
Nós fizemos histórias
Pra ficar na memória
E nos acompanhar
Ficar só é a própria escravidão
Ver você é ver na escuridão
Where did I go wrong, I lost a friend
Somewhere along in the bitterness
You start to wonder why you’re here, not there
And you’d give anything to get what’s fair
But fair ain’t what you really need
Even though
I watched you come and go
How was I to know
You’d steal the show?
I’ve got a another confession, my friend
I’m no fool
She’s gone to heaven so I’ve got to be good,
So I can see my baby when I leave this world.
But you and I, we live and die
The world’s still spinning around
We don’t know why
And all the roads that lead you there were winding
And all the lights that light the way are blinding
Nos deram espelhos e vimos um mundo doente
Tentei chorar e não consegui.
We’re crashing
Into the unknown
We’re lost in this
But it feels like home
Longe daqui
Longe de tudo
Meus sonhos vão te buscar
Now will it matter long after I’m gone?
Because you never learn a goddamned thing.
And you never would have thought in the end
How amazing it feels just to live again
Bones have to grow, and age it shows
Though we try and hide it
And the world’s like a science
And I’m like a secret
Would you believe in a love at first sight?
Yes I’m certain that it happens all the time.
When I find myself in times of trouble
Mother Mary comes to me
Speaking words of wisdom:
Let it be
But I’m not crazy, I’m just a little unwell
I know right now you can’t tell
But stay awhile and maybe then you’ll see
A different side of me
Viver é melhor que sonhar
Eu sei que o amor
É uma coisa boa
Mas também sei
Que qualquer canto
É menor do que a vida
De qualquer pessoa…
And when she says she wants somebody else
I hope you know
That she doesn’t mean you
For a moment your eyes open and you know
All the things I ever wanted you to know
This life is lived in perfect symmetry
What I do
That will be done to me
Claro que existem milhões de outros trechos que mereciam estar na lista, mas a lista ficaria infinita e, além disso, não tenho cabeça para lembrar de tanta coisa. Ainda assim sei que vou querer dar cabeçada na parede quando lembrar de um ou outro. Por agora, vou só indicar os próximos e me retirar, que minha cama me chama.
Loren, Alê e Mari, eu escolho vocês. (Perdoem meu momento Pokemon.) 
Música

Hora da Faxina

Há um bom tempo eu, inspirada pela Anna, tentei fazer uma mixtape. Não deu certo. Meu senso seletivo nunca funcionou direito e eu acabei com quase todas as minhas músicas numa lista. E desisti, altamente frustrada. Até que ouvi a de carnaval feita pela Alessandra, e me animei para tentar de novo. Dessa vez escolhi um tema mais restrito e lá fui eu.
Ainda acho que a melhor época para divulgar isso seria no começo das férias, não no fim delas, mas não me importo. Sempre tem um cantinho para arrumar, seja o armário, o quarto ou a casa toda. E uma arrumação que se preze sempre pede uma música animada e cantante. Então, lenga-lengas à parte, apresento aqui minha coletânea pessoal de Músicas para arrumar. (Fiz até capa, perdoem minha total inabilidade para a edição de imagens).
Coloquei também uma música bônus que não está na lista, porque só lembrei dela depois que já estava tudo pronto: Vive la Fête – Bananasplit.
Se alguém for testar, aceito críticas! Também aceito sugestões das músicas de arrumar de vocês. Quem sabe não rola um volume 2?
Música

Músicas em imagens

Então, eu que estava louca para ser indicada para um meme, fui! E um que eu confesso que me diverti horrores fazendo. Quem me indicou foi a Tary, e o meme é sobre os 10 melhores clipes do mundo (na minha opinião, claro). Ah, e esse do mundo foi acrescentado por mim, por que é o que são dentro do meu mundo.
Eles não estão em nenhuma ordem, e eu amo todos. Vou avisando de antemão que 90% (literalmente) não é tão recente, mas não deixam de ser bons. Então, aí vão:
Grace Kelly – Mika


Essa aí em cima é a versão estendida. Eu amo essa música e esse clipe porque eles me lembram das minhas amigas. Nós devíamos ter uns quatorze anos e ficávamos cantando a música por aí. Uma vez a gente até tirou foto de um cara no shopping que era a cara do Mika! Além disso, é um clipe muito alegre e aleatório, tem um cenário legal e a menininha é uma fofa. Precisa falar mais?
Bad Day – Daniel Powter


Essa é completamente diferente da anterior. Ela é mais melancólica. Não chega a ser melancólica, mas não é feliz. A música é o máximo, mas o clipe consegue ser um máximo a parte. Esse vídeo tem uma história própria que fala sem precisar de palavras. Poderia ser um filme, mas ia acabar sendo um filme bem chato, porque é justamente sobre a rotina, sobre aquela insatisfação que a maioria de nós tem, e a procura por uma companhia, um amor.
Só agora – Pitty
Esse é o único recente. Mas é um recente que figura aqui por um motivo antigo, então não conta tanto. É uma lembrança da minha fase pittymaníaca e alucinada. Eu ia mesmo colocar um clipe dessa época, mas eu gosto muito dessa música, porque essa é melancólica de verdade (Paloma meio bipolar). O que eu ouvi dizer é que ela fez para o bebêzinho que ela perdeu. O vídeo não é nada produzido, é exatamente o oposto. Tem um quê espontâneo, de festa de família, e foi o que eu gostei nele. Fora os óculos de coração, que eu também queria pra mim (sim).
The ghost of you – My Chemical Romance
Esse também tem fundo nostálgico (acho que todos têm) da fase de um outro vício. Entre todos os vídeos do My Chemical eu escolhi esse porque eu acho ele o máximo de lindo. É como um filme inteiro em três minutos e meio. E é emocionante também, na hora em que os homens vão para a guerra, o último olhar que o Mikey troca com a moça que fica. E depois vem o ápice, quando ele é atingido e a atuação do Gerard é tão boa que a gente quase acredita que ele realmente está perdendo o irmão. Acho que ele dava pra ator.
Best of you – Foo Fighters
Esse eu amo. Não só porque eu amo a banda e amo a música, mas porque ele é especial para mim por si só. Não tenho grandes explicações a dar. Eu acho ele bem intenso e é isso. Acho ele bonito, diferente. O que mais posso dizer?
Mr. Brightside – The Killers
Esse é paixão absoluta. Amo a música de montão e o clipe é muito bom. Tem um quê teatral, traduz a letra da música e – ainda por cima – tem coreografias. É uma das minhas bandas favoritas, e esse é o meu favorito entre todos deles. Fora que é a clássica história do amor pela prostituta, que funciona quase sempre. É meio Moulin Rouge, mas isso para mim não é defeito.
After All This Time – Simon Webbe
Essa música é uma que não me deixa em paz. No bom sentido, porque eu gosto dela, tanto que quando começo a ouvir ouço de novo e de novo e de novo até parar por medo de enjoar dela. Ela tem um ritmo super contagiante e dá vontade de sair dançando zouk pela casa (pena que eu não sei dançar zouk). O clipe é bom porque conta uma história que é universal, e ele mostra isso revezando o casal, o que não muda o enredo, só a parte em que eles estão. Fora disso, a voz dele é o máximo e eu acho ele muito lindo, pronto.
It Had To Be You – Motion City Soundtrack
Esse vídeo eu acho uma graça! Além de contar toda um historinha, é de animação com bonequinhos de pano. É a coisa mais lindinha do mundo, e eu acho a música muito feliz, apesar de o fim não ser exatamente feliz. É mais um dos meus clipes de ouvir de manhã cedo.
Fluorescent Adolescent – Arctic Monkeys
Esse não tem nada demais, mas eu gosto. Conta a história de uma amizade de infância desviada, e que acaba mal. Faz a gente ter vontade de voltar no tempo e cuidar melhor de algumas amizades, não por medo de que alguém venha e mate a gente, mas porque é triste ver uma coisa tão bonita acabar assim. O final, então, é a melhor parte para mim, porque fecha com a imagem das crianças. Só não é uma coisa que eu mostraria para os meus filhos, se eu não quiser que eles tenham medo de palhaço.
Who’d Have Known – Lily Allen
Esse clipe eu acho muito bem humorado! Também adoro Smile, mas esse vídeo é o melhor, para mim. É meio paranóico, mas é divertido. Quem poderia imaginar a Lily sequestrando Elton John?? Ri bastante. Coitada, nessa missão ela não tem esperança, a não ser que opere ou nasça de novo. Fora que essa música é a que eu mais gosto, então está definitivamente eleita para completar o rol.
E assim acabam-se as minhas escolhidas. Quem quiser fazer, sinta-se indicado, ou então – quando eu conseguir pensar em alguém – eu volto e edito.
Música

Questão de aparência

Hoje eu acordei com a impressão de que tinha alguma coisa relevante para dividir com o mundo. Restava lembrar o que. Por que é tão difícil se lembrar de algumas coisas logo que você acorda? Anyway, eu sabia que deveria ter escrito isso em algum lugar antes de dormir. Eu me conheço.
Fui então refazer mentalmente minhas atividades da madrugada de ontem. O que será que eu fiz? Consegui, então, – não sem bastante esforço mental – lembrar a razão de meu incômodo.
O nome é Grace Jeanette, uma menininha americana de 10 anos de idade, fofa e talentosa, que definitivamente não recebe a atenção que ela merece. Para quem não conhece, ela canta, toca piano e atua – tudo muito bem – e a única coisa que impede que ela faça sucesso com o talento dela é sua aparência “pouco comercial”.
Eu entrei a madrugada ontem assistindo os vídeos do canal dela no Youtube e tive finalmente certeza absoluta de uma coisa que eu já desconfiava havia muito tempo: você pode ter todo o talento do mundo, mas se não tiver a aparência certa ainda vai ter que trabalhar muitas vezes mais duro do que muita gente sem talento.
Isso decididamente traz uma certa indignação a quem ouve (ou lê), mas é verdade e é inegável. O primeiro agente dela a abandonou porque ela não tinha a aparência certa. O segundo continua tentando, mas em qualquer teste de atuação as habilidades artísticas dela são elogiadas para depois ela ouvir de novo que a aparência dela não é o que eles procuram. Nunca é. E não é justo.
Espero que um dia alguém desse meio dê a ela a atenção que ela merece. Espero que um dia a gente ainda ouça falar dessa menininha.