Filmes

Tom Hooper killed my dream

Eu esperava ir ao cinema assistir Os Miseráveis, amar o filme e me debulhar em lágrimas. Não foi o que aconteceu. Eu fui ao cinema e amei o filme, mas “me debulhar em lágrimas” foi pouco para o que eu fiz.
Fomos eu e a minha mãe, porque eu sabia que só ela me entenderia. Compramos um lanche e nos aconchegamos na poltrona, como é nossa tradição. Meu lanche, um sanduíche do Subway de 15 centímetros, que ficou pela metade porque a Anne Hathaway resolveu cantar enquanto eu comia e eu esqueci que ele existia. E então eu desisti dele de vez, porque comer ali seria impossível.
Toda essa enrolação para chegar ao ponto por que? Porque eu não tenho as palavras para começar a falar do filme.
Abusando dos closes e das músicas (se teve uma fala não-cantada, passou quase despercebida), foi como um conjunto das almas de cada um dos personagens. Diversos depoimentos pessoais solitários reunidos. Um verdadeiro manifesto dos miseráveis de paris no século XIX. Uma jovem que faz o que é preciso para sustentar a filha sozinha. Um ex-presidiário que resolve dedicar o resto da vida a Deus. Uma jovem apaixonada por um rapaz que não a ama. Um jovem idealista que luta por uma sociedade mais justa.
Permeando e se integrando a essas histórias pessoas, encontramos a história geral de um povo. E ela é tão mais dolorosa porque você e conhece cada um daqueles que estão ali no meio. Jovens burgueses que sonham com uma sociedade mais justa e fazem o que for preciso para conseguir. Poderíamos ser eu e você.
Em um resumo pobre, eu achei o filme, intenso, emocionante, profundo e, sobretudo, arrasador. Arrasador demais. E só de lembrar me dá vontade de ver de novo e chorar de novo. E, é claro, ler Victor Hugo no original, mesmo sem saber falar francês.
Eu estava tão maravilhada com a história que vou ter que voltar ao cinema para conseguir (quem sabe) prestar atenção a alguns detalhes técnicos, como as imagens lindas que até quem não gostou do filme admirou, mas eu não, porque não sou tão multifuncional assim.
Me perguntem qual o meu personagem favorito, e eu respondo que foi a Fantine. Que mesmo aparecendo em poucas cenas, conseguiu deixar uma impressão duradoura em mim. Porque na minha opinião ela conseguiu, nesse pouco tempo, ser a personagem mais forte e mais triste do filme todo; e a Anne fez por onde a indicação ao Oscar.
O ponto exatamente contrário foi a Cosette adulta. Eu gosto da Amanda, acho uma boa atriz. Mas no meio de todos aqueles personagens fascinantes (incluindo aí a própria Cosette criança), o dela foi decisivamente o mais fraco. Sinto muito.
Sinto que termino esse texto e que falei muito pouco. E talvez você esteja aí cheio de raiva de mim por causa dos minutos que eu fiz você perder no seu dia para ler esse monte de besteiras. Tudo bem. Não faço análises técnicas porque não tenho a menor qualificação. Não ressalto detalhes porque, como já falei, não estava em condições de reparar neles. Mas esse foi o primeiro filme que conseguiu fazer com que eu saísse do cinema e não conseguisse parar de chorar. E andasse pelo shopping com uma cara inchada e horrorosa, de óculos escuros às nove da noite.
Também, com aquela cena final, quem pode me culpar?
“Do you hear the people sing?
Singing the song of angry men
That’s the music of the people who will not be slaves again”
Digam qualquer coisa sobre o filme, mas temos que admitir que ele dá vontade de falar sobre. Algumas amigas já se pronunciaram sobre ele. Confiram:
Previous Post Next Post

You Might Also Like

13 Comments

  • Reply Mayra 14 de fevereiro de 2013 at 22:52

    Ai Pah, tenho as mesmas opiniões que você, exceto à respeito da Amanda. Eu não consigo gostar dela. Nunca vi um filme em que ela se ressaltasse de algum modo, pra mim ela é bem chocha mesmo, sabe? Sem sal, sei lá. Nunca consigo acreditar nas personagens dela e fiquei possessa por ela ter estragado a LINDA Cosette. Absurdo. Só dei uma leve perdoada pq vi uma entrevista do filme e a Anne disse que Amanda é uma de suas melhores amigas e o sonho das duas era estar no mesmo filme e que nesse elas se realizaram e daí eu fiquei pensando que isso de fato deve ser legal. Fora isso, um bleh bem grande pra ela.
    Quanto ao resto do filme, já cansei de falar sobre porque comentei gigantemente em todos os textos à respeito, rs.
    Abraços!

    • Reply Paloma 15 de fevereiro de 2013 at 08:18

      Poxa, May; em geral eu gosto da Amanda, sim. Só achei o papel dela nesse filme bem insosso mesmo. Não sabia dessa história dela com a Anne, mas fico feliz que pelo menos você concorde comigo sobre o filme!

  • Reply Antônio LaCarne 15 de fevereiro de 2013 at 06:53

    tô super com vontade de ver esse filme. e realmente, há uma expectativa quanto ao teor das lágrimas. todo mundo que vê diz q se emociona.

    teu blog é muito bom, super inspirador, parabéns!

    • Reply Paloma 15 de fevereiro de 2013 at 08:19

      Assista! Preciso ouvir mais opiniões para conseguir avaliar melhor a opinião geral sobre ele! Por enquanto acho que está bem dividida.

      Muito obrigada pelo elogio e pela visita!

  • Reply Julianna Alves 15 de fevereiro de 2013 at 08:29

    ai Pah, sabia que você ia amar o filme! Achei a Amanda meio fraquinha também, mas acho que isso foi um conjunto, já que realmente os outros atores foram bem melhores, até a menina que interpretou a Eponine, mesmo sendo o primeiro filme dela :S
    adorei o link ali em baixo e vou ler os outros 2 textos (o da Vanessa já li). Les Mis tá dando o que falar hahaha
    beijos!

    • Reply Paloma 15 de fevereiro de 2013 at 08:42

      Amei mesmo! E acho que o personagem também não favoreceu a Amanda, mito insosso! Nem eu terminei de ler a minha listinha, falta o seu e o da Vanes, mas cuidarei disso em breve.

  • Reply Anna Vitória 15 de fevereiro de 2013 at 10:24

    Mas você é a diva dos óculos escuros, Paloma! Tem direito de usá-los quando quiser.

    Bom, você já sabe minha opinião sobre o filme. Não amei e faria uma enorme série de ressalvas (concordo demais com sua opinião sobre a personagem da Amanda Seyfried), mas queria demais ter escrito um texto apaixonado de quem não conseguiu parar de chorar.

    Beijos!

  • Reply Deyse Batista 15 de fevereiro de 2013 at 11:00

    Gente do céu, eu preciso criar coragem de ver esse filme! Já li tudo que as outras meninas escreveram e você a a Rafinha foram de longe as mais apaixonadas. Espero que esse tenha sido o último texto que eu leio sem ter visto ainda esse filme, porque tá me agoniando já ser a única que ainda não descobriu tudo isso que você descreveu.
    E se eu já não gosto da Amanda normalmente, já vi que o meu primeiro defeito no filme vai sem o papel sem graça dela :~
    Beijo, Palomis!

  • Reply Srt . Vasconcelos 15 de fevereiro de 2013 at 12:15

    Cara, vc disse tudo, eu também não gostei da Corsette adulta! a criança tava MUITO legal, mas apagaram a Amanda totalmente, apesar de nunca ter gostado tanto dela como atriz. A Fantine é maravilhosa e realmente o melhor personagem, seguido do lindo do Hugh Jackman que arrasou!
    nota 1000 pra esse filme.

  • Reply Thay 16 de fevereiro de 2013 at 21:20

    Assim, ainda não assisti Os Miseráveis! E estou enrolando tanto, mas tanto, que quando eu resolver assistir já vai ser fevereiro de novo. Mas explico minha falta de empolgação: não nasci pra assistir musical. Só gostei de Moulin Rouge, mas acho que foi por culpa do Ewan McGregor cantando, pq né, ó perfeição! Mas juro que vou me esforçar pra assistir Os Miseráveis. Minha irmã já assistiu e amou pra sempre, quem sabe eu consiga gostar também. :]
    Beijo!

  • Reply Maria Öwre 18 de fevereiro de 2013 at 19:40

    Não vi o filme e, que eu lembre, só ouvi falar mal dele, mas ouvi falar bem do livro. Não sei se a história me interessa muito, sou uma pessoa muito desinteressada em tudo. Mas eu amo a Anne Hathaway. Não sei bem o porquê, vou com a cara dela.

  • Reply Mari Mari 18 de fevereiro de 2013 at 21:27

    É um filme muito bonito e, de fato, impactante. A cena da revolução é absolutamente sensacional. Mas admito que não achei o filme tudo isso que estão por aí falando…

  • Reply Glaucea Vaccari 24 de fevereiro de 2013 at 01:31

    Ainda não assisti o filme apesar de estar bem curiosa sobre ele.
    Os Miseráveis é um dos meus livros preferidos e foi um dos primeiros livros que eu li quando ainda estava começando a pegar gosto pela leitura, então as expectativas estão super altas.
    Já vi vários comentários positivos sobre o filme e tenho quase certeza de que não vai me decepcionar. Espero ver em breve.
    BJo

  • Leave a Reply