Livros, Pessoal

Coisas que ninguém sabe – A Saga

Bem, a primeira coisa que eu preciso contar é que a tal da maratona literária floopou total. Terminei Coisas que ninguém sabe e, ao invés de continuar Looking for Alaska como tinha prometido, resolvi pegar A menina que roubava livros para reler por causa da estreia do filme, e eu simplesmente queria aproveitar o livro no ritmo dele. Cargas d’água. Quem sabe na próxima eu me saio melhor.

Passadas as formalidades, o momento me parece propício para uma história de livro. Não uma história que eu li em um livro, nem uma história de ficção, e também não uma história de vida daquelas bem emocionantes que as pessoas gostam de dizer que é digna de livro. É realmente a história de um livro. Uma saga pessoal desencadeada por um careca barbudo e uma baixinha teimosa.

Tudo começou quando a Ana Luísa me indicou um livro: Coisas que ninguém sabe. Coloquei na minha lista de desejados no skoob, mas as coisas pararam mais ou menos por aí. Pelo menos até que uma vontade urgente de ler  bendito me afligiu, lá pela milésima vez que ouvi senhor Daveninha ser mencionado lá pelos lados da Máfia.

A oportunidade surgiu quando ganhei um livro repetido no natal, e chegando na loja resolvi aproveitar a oportunidade para conferir o que esse livro tem de tão especial. Achei o último exemplar do bichinho na loja inteira e fui ver o preço na maquininha. Quarenta reais. Me desculpem, mas quarenta pratas é um preço bem salgadinho para um livro, especialmente um que estava com um cantinho amassado. E quando eu fiz o namorado perguntar para o vendedor barbudo e careca se tinha mais algum porque aquele estava amassado (uma leve indireta para ver se não rolava um desconto), o sujeito, na maior falta de educação, disse que não e virou as costas.

Fiz bico, cruzei os braços e fui embora comer, já que tenho alergia a gente mal educada. Mas, claro, não sem antes largar o dito cujo em um balcão aleatório, a título de birra. O careca que se virasse com ele.

Previsivelmente, antes de terminar o lanche, pedi ao seu Pedro para voltarmos lá. Meus planos eram me esconder, driblar o careca, usar minha capa da invisibilidade e levar o livro sem ser vista. Afinal, quarenta não seriam quarenta se você descontasse o valor do livro da troca, né? Não fazia sentido eu acrescentar dois livros pra minha lista gigante de “não lidos” quando eu podia parar de besteira e levar logo o que eu queria.

Chegando na loja, fui direto aonde tinha deixado o livrinho e – adivinhem só – ele não estava lá. Fui até onde ele devia estar (onde o peguei da primeira vez). Nada. Como último recurso, perguntei à vendedora com cara de aleatória que estava arrumando uma pilha de livros. A coitada rodou a loja toda, olhou computador, olhou estante, até na sessão infantil ela procurou; só pra me dizer que “olha só, não tem não”. Mas eu sabia que tinha, e eu sabia de quem era a culpa: do careca. Só podia ser.

E lá fui eu, arrasada, até a saraiva atrás do livro, que por sinal custava os mesmos quarenta reais, e comprei, porque agora eu já não ia me conformar de voltar para casa sem aquele maldito livro.

Saí feliz com meu livro, fui ao cinema, e na volta para o carro resolvi passar pela terceira vez na outra livraria porque, né, eu ainda tinha um livro para trocar. No caminho, fiz uma previsão revoltante do futuro: eu vou entrar naquele buraco e o infeliz do troço vai aparecer. Karma. Lei de Murphy. E lá ele estava, rindo da minha cara. Sim, Coisas que ninguém sabe, bem ali, onde deveria estar, no meio dos autores com sobrenome começando em D.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply Kamilla Barcelos 8 de fevereiro de 2014 at 10:02

    Anem, Palo, que situação! haha Ri muito da sua saga.
    Não li nada do D’Avenia. Estou com um pouco de medo de ler, porque a minha expectativa está enorme para ele. Acho que vou comprar só daqui um tempo ainda.

  • Reply Tary 15 de fevereiro de 2014 at 13:56

    Estou chateada demais que meu comentário foi comido =(
    Isso já aconteceu muito na minha vida. Do livro ‘sumir’ e aparecer um tempo depois, rindo da minha cara.
    Só fiquei com vontade de saber o que você achou do livro! Amou completamente feito a Banana? Ou mais ou menos?
    Beijos!

  • Reply Flá Costa * 15 de fevereiro de 2014 at 19:56

    Palo do céu, a saga do livro, já aconteceu diversas vezes comigo. Acabo desistindo e comprando pela internet quando isso ocorre ou peço pras mocinhas ajudarem porque nunca encontro livros que não são famosos com facilidade.
    Fiquei com muita vontade de saber o que você achou do livro porque infelizmente ele tem grandes chances de ser minha decepção do ano :X

    Beijinho

  • Reply http://collegesurfer.info/computerprogrammingschoolschicago.php 8 de outubro de 2015 at 15:25

    Thanks for that! It’s just the answer I needed.

  • Leave a Reply