Livros

Direto do túnel do tempo

Mais um ano veio e se foi, e chega a hora de mais uma retrospectiva literária criada pela Tary, que desde o começo de 2012 virou tradição aqui no blog. Apesar de não ter sido um dos meus anos mais fortes numericamente falando, quem sou eu para deixar uma tradição de lado, não é mesmo? E definitivamente temos muitas coisas que merecem ser comentadas. Então, sem mais delongas, lá vamos nós.

Livros lidos em 2013

O Mundo de Sofia [Jostein Gaarder], The Hobbit [J.R.R.Tolkien], O Filho de Netuno [Rick Riordan], O Órfão de Hitler [Paul Doswell], Justiça [Michael J. Sandel], O Clube dos Suicidas [Robert Louis Stevenson], Montanha-russa [Martha Medeiros], P.S. Eu te amo [Cecelia Arhen], Princesa de Marte [Edgar Rice Borroughs], Memórias do livro [Geraldine Brooks], Guia do Mochileiro das Galáxias (#1) [Douglas Adamns], Bruxos e Bruxas [James Patterson e Gabrielle Chanonnet], A Sombra da Guilhotina [Hilary Mantel], Lugar Nenhum [Neil Gaiman], Presentes da Vida [Emily Giffin], As Memórias Perdidas de Jane Austen [Sirye James], A Herdeira do Mar [Ize Chi Kiohaan], A Saga Draconiana – Sophie Dupont e o Drakkar de Prata [A.G. Olyver], Passarinha [Kathryn Erskine], A Casa das Sete Mulheres [Letícia Wierchowski], O Enigma da Adormecida (Crônicas do Reino do Portam #1) [Simone O. Marques], The Duke and I (Bridgertons #1) [Julia Quinn], Todo dia [David Levithan], O Segredo de Emma Corrigan [Sophie Kinsela], The Viscount Who Loved Me (Bridgertons #2) [Julia Quinn], Demônios Não Choram [Samuel Cardeal], The Cuckoo’s Calling [Roberth Gailbrath], An Offer From a Gentleman (Bridgertons #3) [Julia Quinn], Romancing Mr. Bridgerton (Bridgertons #4) [Julia Quinn], To Sir Philip, With Love (Bridgertons #5) [Julia Quinn], When He Was Wicked (Bridgertons #6) [Julia Quinn].

Casal mais apaixonante

Colin Bridgerton e Penelope Featherington: Considerando que eu li quase toda a série dos Bridgertons esse ano, é muito difícil eleger o casal mais apaixonante de 2013. Cada livro da série que eu lia, eu me apaixonava perdidamente pelo casal, só pra depois me apaixonar pelo próximo e ficar absurdamente dividida entre todos eles. Mas no fim das contas optei por Colin e Penelope porque eu esperei a série toda para ver a pobre Penelope ser feliz, e também porque só cheguei em On the way to the wedding (o oitavo) depois da virada.

Virei a noite lendo

An Offer From a Gentleman: Como muitos já sabem, eu realmente viciei na série da Julia Quinn (Os Bridgertons) ao ponto de varar as horas da madrugada lendo, mesmo já caindo de sono. Eu simplesmente não conseguia parar. Mas o vencedor dessa categoria foi o primeiro da vida a me manter acordada até as 4 da matina, o que, convenhamos, já é de manhã.

Chorei de soluçar

O Segredo de Emma Corrigan: A minha escolha de livro mais chorante do ano vai com certeza surpreender muita gente, e por isso preciso explicar que com certeza essa decisão tem muito mais a ver com meu estado de espírito no dia que eu li do que com o livro propriamente dito. Antes de causar mal entendidos (porque qualquer um que me vir apontando um Sophie Kinsella como livro de chorar vai me achar completamente louca), preciso explicar/admitir que é um livro divertido – ou seja, desconsiderem a minha opinião. Mas foi o único livro que me fez chorar de verdade esse ano, e isso merecia uma nota para a posteridade.

Decepção do ano

Bruxos e Bruxas: O marketing da Novo Conceito em cima desse livro antes do lançamento foi tão grande que eu simplesmente não consegui evitar ficar extremamente curiosa. Depois do lançamento, muitas resenhas já apontavam os defeitos do livro, mas eu não consegui evitar a decepção quando eu li. Eu sei que é um livro juvenil, mas isso não é desculpa e eu realmente esperava mais. Ainda assim fiz umas reflexões sociológicas bem interessantes, então não foi uma perda de tempo total. Só não tenho muitos planos de ler a continuação.

Livro irrelevante do ano

Presentes da Vida: Na verdade, o livro não foi uma leitura desagradável, só foi tão irrelevante que até na hora de escolher um livro irrelevante eu esqueci da existência dele. Já tinha eleito e anunciado outro livro, quando voltei para dar uma olhada na lista e me deparei com ele. Acho que isso merece o prêmio.

O pior livro de 2013/O mais chato

Demônios não choram: Por questão de consciência, eu não estava querendo incluir esse livro nessa categoria. Infelizmente, eu não gostei mesmo do livro, e como foi o único do ano que eu realmente penei para chegar ao final, e só fiz isso por dever, sou obrigada a dar o prêmio para ele. Além disso, gostei bastante dos outros livros que li, e não poderia sacrificar livros bons a troco de nada.

Nonsense

O Mundo de Sophia: Comparado com os vencedores dos anos anteriores, esse ano o vencedor da categoria sai perdendo. Mas há quem discorde. Já tinha tentado ler esse livro uma vez e abandonado, mas dessa vez conseguir ir até o fim e não me arrependo. Gostei bastante, e em certo ponto ele realmente explodiu a minha cabeça.

Guia do Mochileiro das Galáxias: Quem falar que esse livro faz algum sentido, por favor procure um médico. Foi um dos livros mais divertidos que eu li esse ano, mas sejamos sinceros.

Bate bola de personagens

Personagem masculino mais apaixonante: Michael Stirling, de When He Was Wicked. Não consegui resistir à paixão desesperançada dele, uma coisa muito fofa.
Personagem feminina que eu queria ser: Sinceramente, nenhuma, mas se me obrigassem a escolhe eu iria com Jane Austen, porque realmente não me importaria de ter escrito Orgulho e Preconceito.
Personagem mais chato: Arthur Dent, porque o Mochileiro seria tão ou mais legal do que é se ele não estivesse lá.
Personagem mais perturbador: Maximilien de Robespierre, de A Sombra da Guilhotina. Meu Deus, o que era aquele homem.
Personagem que mais me identifiquei: Francesca [Bridgerton] Stirling, de When He Was Wicked.
Personagem secundário favorito: Ford Prefect e Marvin, o robô depressivo, do Guia do Mochileiro das Galáxias.

O melhor de 2013

A Sombra da Guilhotina: No segundo que eu assisti Os Miseraveis no cinema, simplesmente surgiu em mim uma fixação bizarra pela revolução francesa (ok, eu sei que os miseráveis não se passam na revolução francesa). Foi logo depois disso que esse livro gigante e lindo surgiu na minha frente em uma livraria por acaso, e foi amor à primeira vista. Só que ele custava meus rins e eu sofri um ataque de pão-durisse. Ainda bem que eu tenho um namorado lindo que rodou o mundo em busca de um dos últimos exemplares desse livro (que estava em falta até na editora), e eu tive o privilégio de mergulhar nessa história densa, idealista, triste e emocionante. Não consigo descrever como eu amei esse livro. E é por isso que eu não tenho coragem (e nem acho que vá ter tão cedo) de ler outro livro da autora, por puro medo de quebrar o encanto.

Mensões honrosas: Passarinha e Memórias do Livro.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

5 Comments

  • Reply Ana Luísa 9 de janeiro de 2014 at 22:47

    Sua empolgação com essa série de duques e viscondes tá me deixando muito curiosa, já fui adicionar no skoob! Só tem o 1 e o 2 em português por enquanto, confere? Foi só o que achei!
    Menina, acho que a sua lista é a que tem mais livros que eu não conheço. Dos que você evidenciou nas categorias eu só li Emma Corrigan, e definitivamente só chorei de rir! HAHAHA
    Ah sim, também li o primeiro do guia do mochileiro, mas não gostei. E li mundo de Sophia também, e realmente, é uma pira. Que em muitos momentos me enjoava.
    Você é muito ótima, amiga! E amar um livro chamado PASSARINHA é tão a sua cara que I can’t even! <3
    Amo-te!

  • Reply Marie Raya 10 de janeiro de 2014 at 14:19

    Eu tenho muita vontade de ler O Mundo de Sofia, mas às vezes desanimo com os comentários. Adorei ler sua retrô, porque consegui copiar vários nomes pra minha meta desse ano. Estou louca pra ler “O Segredo de Emma Corrigan” e “A Sombra da Guilhotina”, em especial. Quando eu ler, te aviso pra gente debater, hihi. Beijinhos <3

  • Reply Milena M. 10 de janeiro de 2014 at 18:28

    Meu deus, Paloma chora com Emma Corrigan. Se um dia eu tentasse muito não te amar, depois dessa informação seria impossível.
    Rindo da sua história com o livro irrelevante do ano. Acho que não coloquei essa categoria na minha lista.
    O Guia é mesmo muito nonsense! É por isso que adoro. Acho uma certa genialidade no meio de tanta falta de sentido e me divirto horrores com a série.
    VOCÊ AMOU O MARVIN! HAHAHAHA OBRIGADA! Aquele androide é sensacional!
    Lemos coisas bem diferentes, Palo. Mas confio tanto em você que já tô seca pra ler Passarinha desde que você me mandou ler. hehe E essa série da Julia Quinn também começou a chamar atenção!
    Beijo <3

  • Reply Tary 10 de janeiro de 2014 at 20:58

    Palomitcha, suas leituras foram as que foram mais diferentes das minhas! Precisamos bichar mais em 2014!

    Amiga, eu não te julgo jamais por ter chorado em Emma Corrigan porque eu chorei no See Jane Date, um chick-lit super engraçado (recomendadíssimo!). Achei algumas partes tão ternas que não teve como.

    Não consegui ler Guia dos Mochileiros =x Foi um dos meus abandonados em 2013. O Mundo de Sofia foi outro que eu super abandonei há anos. Quem sabe um dia retomo, né?

    A Sombra da Guilhotina me interessou bastante, vou dar uma procurada depois.

    Beijos!

  • Reply Anna Vitória 11 de janeiro de 2014 at 00:11

    Palo, comentei isso na retrospectiva da Flá e vou repetir na sua: graças a vocês já estou louca de vontade de ler Os Bridgertons! Quase comprei o primeiro esses dias, mas acho que vou baixar em inglês pra ler no Kindle e ver se eu curto. Mas pelo que vocês andam falando acho que tem tudo pra eu amar =)

    Que inusitado chorar com Emma Corrigan! Ainda não li, mas Banana fala tantas coisas hilárias dele que agora também precisarei tirar a prova. E eu sou tão chorona que super entendo derramar umas lágrimas mesmo que a proposta inicial seja engraçada, tamo juntas!

    Ai O Mundo de Sofia! Fiquei tão feliz de você ter me dado ele de amigo-secreto, porque também abandonei o livro quando mais nova, mas essa pendência nunca saiu da minha cabeça. Ter o livro na estante foi um estímulo pra eu encará-lo novamente e estou com saudades desse nózinho na cabeça, só tô esperando o momento certo.

    Achei super legal que você lê coisas SUPER diferentes e coisas que eu nem ouvi falar. Acho ótimo ter referências novas =)

    Beijos Palo! <3

  • Leave a Reply