Na TV

Palomas (ou ‘sobre a estréia de Amor à Vida’)

Narcisismo puro, mas eu não resisto a uma história em que alguém tenha o mesmo nome que eu. Se tem o meu nome e ainda é interpretada pela Paola Oliveira, melhor ainda – uma Paloma horrorosa na televisão seria meio queima-filme, né. No momento em que eu ouvi o meu nome no comercial, decidi que assistiria à novela (já falei do meu problema com novelas aqui). 
Assim, enquanto minha mãe está lá se revirando na cama e sentindo falta da Dona Helô (sdds), eu estou tentando acompanhar a novela nova. 
Não sei quanto tempo vai durar – porque meu vício não vai embora e ainda assim há um bom tempo eu não consigo acompanhar uma novela como se deve – mas enquanto as coisas vão, eu vou também. 
E a minha xará conseguiu já entrar no ar me irritando. Mimada demais para o meu gosto (deve ser mal de Paloma, mas eu não fico parindo por aí no chão de bares imundos). E toda vez que aparece alguma cena dela com a filha perdida – só quem assiste entenderá – minha vontade é entrar na tela da televisão e cobrir a cara dela de bolacha. Sou violenta. 
Vamos lá, minha gente. Que tipo de pessoa grávida de 8~9 meses acha que pode sair pelo centro da cidade  dançando e pulando de bar em bar como se nada estivesse acontecendo? Pelamor, né.
Não bastasse a óbvia falta de cérebro demonstrada aí, eu ainda tenho que ser mais rígida com ela do que seria com qualquer outra personagem, porque ela leva meu nome, oras. Temos uma reputação a zelar.
Ainda assim, a história me deixa triste. Sempre rola aquela empatia de nome (com personagens ficcionais, na vida real not so much), mas deve ser ruim demais perder um filho assim (tá, deve ser ruim de qualquer jeito). E olha que eu nem tenho filhos. É uma coisa que eu não desejo para ninguém. 
Bem, ao fim e ao cabo, acho que a novela vai bem, por enquanto. Vamos ver no que vai dar essa segunda fase. Só resta esperar os próximos capítulos. 
[Susana vieira, o problema é com você, minha filha] 

Previous Post Next Post

You Might Also Like

5 Comments

  • Reply Ana Luísa 24 de maio de 2013 at 23:06

    Ai, amiga, que alívio saber que você não fica por aí parindo em banheiros, estava meio preocupada. HAHAHA.
    Tô amando essa novela. Ela me arrebatou em um capítulo e eu espero que Walcyrzinho não deixe a peteca cair!
    Beijos!

  • Reply Tay 25 de maio de 2013 at 09:47

    Huahuahaua essa novela parece que vai ser boa neh?
    bjus ;*

  • Reply Tay 27 de maio de 2013 at 23:28

    Hahahha a Susana Vieira tá o erro, mesmo. Eu tô amando a novela, mas a Paloma é uma banana…putz. Desde o primeiro capítulo ela é uma cagona. Você honra bem mais o nome Paloma do que ela, certamente. Tô amando Félix, Valdirene (diva da Tatá Werneck, acho que todo mundo tá gostando) e aquela que casou/foi traída na lua de mel/separou/não sei o nome. Sem contar que tem muito cara lindo, olhe…
    Beijos Palominha!

  • Reply Anna Vitória 28 de maio de 2013 at 00:24

    Melhor coisa do mundo o final desse post <3 amo demais referências noveleiras <3

  • Reply Manie 1 de junho de 2013 at 22:34

    confesso que eu fiquei super animadinha pra assistir, quando passava o trailer da novela na tv, mas confesso que brochei quando vi as primeiras cenas.
    sério, quando vi que a primeira cena foi o antonio fagundes com as mãozinhas no ombro da filha falando “parabéns, filha, você passou na faculdade de medicina”, eu quase vomitei (exagero, que nojinho).

    mas o que me deixou mais emputecida foi que toda a sinopse que eu tinha achado bacana aconteceu de uma vez só no PRIMEIRO capítulo. tipo, oi? e a liberdade no machu pichu, hippies, paloma contra os padrões da família, largando tudo pra se encontrar? xênte, como pode, a mina enfiou a cara em tudo o que ela criticava, o hippie foi embora e ela virou pediatra. AH, pára.

    gostei dos eu blog! eu ri quando cê falou da sua mãe com saudades da helô, eu também tenho 🙁

  • Leave a Reply