Pessoal

Buracos negros institucionalizados

Quem trabalha em algo relacionado à área do direito provavelmente já se deparou com algo relacionado aos estranhos eventos que serão descritos neste texto. Esses bizarros fenômenos paranormais de arrepiar os cabelos da nuca até hoje não foi satisfatoriamente explicado nem pelos mais competentes cientistas.
Se você está confuso, eu explico.
Volta e meia, qualquer um que faça acompanhamentos processuais (vulgo, acompanha pela internet o desenvolvimento de processos na justiça) se depara com processos que estão “conclusos” há anos. Concluso significa que está na sala do juiz, pronto para ser decidido. E há anos não é exagero, não – é a mais pura verdade.
Nesse meio tempo, vários e vários processos entram e saem dessas mesmas salas, e os pobres coitados continuam lá, esquecidos em algum buraco escuro e poeirento. Talvez em baixo de um tapete, ou atrás de um armário – com alguma sorte eles terão sido poupados da descarga. Não sei, não me perguntem. Esse fenômeno continua sendo um mistério para mim.
A única explicação para esse sumiço estranho é que as salas dos juízes são lugares perigosíssimos e repletos de buracos negros, que engolem processos ingênuos e desatentos que acreditavam estar com a vida encaminhada.
Ou vai ver é o contrário. Estou eu aqui, morrendo de pena deles, enquanto eles são aqueles que conseguiram escapar. Aqueles que fugiram da correria da rotina judicial e conseguiram chegar em segurança à Terra dos Processos, onde eles são livres e felizes.
Um ano, dois anos. Até três eu já vi. E essa contagem só aumenta, pois nunca vi nenhum deles voltar de lá.
Espero o dia em que isso vai parar de me abismar.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

3 Comments

  • Reply Julianna Alves 3 de julho de 2013 at 09:19

    Fora quando eles somem dentro da Vara. Já falei pro pessoal que os processos tem vida própria, igual em Toy Story: de noite eles criam vida e fazem festas.

    Beijinhos, Pah!

  • Reply Marie Raya 3 de julho de 2013 at 15:02

    Ai, amiga. Isso é tão frequente, né? Já acompanhei alguns casos de processos assim com familiares e tudo mais e é bem complicado mesmo. Adorei esse desabafo, haha. Beijinhos.

  • Reply Mariana 17 de julho de 2013 at 14:43

    Lembrei de uma piadinha. Sou péssima para contar piadas, mas é aquela do filho que vai trabalhar no escritório de direito do pai e diz “lembra aquele processo que você estava trabalhando há dez anos? terminei ele em um só dia!” e o pai responde “por que?! esse processo estava sustentando a nossa família e pagando a sua faculdade!”.

    Brincadeirinhas a parte… Eu não entendo nada de direito. .___.

  • Leave a Reply