Pessoal

Em um sábado ensolarado

Acabei de chegar da prova da UFRJ. Da primeira, porque amanhã tem mais. Enquanto eu vinha andando pela rua viajando completamente no mundo da imaginação, me veio um sentimento conhecido que eu cheguei a descrever no post  do dia  oito de dezembro de 2008, quando a gente ainda morava no uol blog. Gente, essa coisa que eu acabei de fazer e que vai decidir não só a minha vida como a de milhares de outras pessoas é uma prova! Uma prova normal! E não é nem mesmo a prova mais difícil que eu já fiz na vida.

E lá ia eu andando, feliz e contente com mil e uma coisas na minha cabeça de vento. Minhas pernas adestradas já aprenderam o caminho de casa e eu tava andando tão automaticamente que eu nem sentia, só me preocupando em procurar as sombras e sentir o vento que vinha devagar aliviar o calor. Isso ia se seguindo quando passou por mim um garoto. Ele tinha, se muito, a minha idade, e andava no sol feliz da vida de preto desde o boné até o tênis, passando por bermuda, camisa e munhequeira. Nesse momento eu tive que admitir que aquele menino era muito parecido com o que eu já fui (só que numa versão masculina). Estava lá ele, com a pose de pessoa revoltada com o mundo, sendo que o mundo nunca fez nada pra ele. Eu fiquei pensando pra que servia aquilo tudo, tentando mostrar ao mundo que você não liga pro que ele pensa, sendo que aquilo mesmo era a maior prova de que liga sim, porque se não ligasse não ia tá vestido daquele jeito embaixo do sol escaldante do Rio de Janeiro, provavelmente quase desidratando de tanto calor. Aí eu ri, talvez não por fora, mas por dentro.

Quando eu mudei desde o momento que eu pus os pézinhos nesse mundo. Quem que tenha me conhecido por volta da oitava série ia reconhecer aquele ser de blusa branca com debrum colorido, bolsa de palha que comprou em Rio das Ostras pra ir à praia, mas agora usa pra tudo, e um sapato de uma cor que faz parecer até que tá andando descalça? O mundo gira, as pessoas crescem, por dentro eu ainda sou a mesma, mas os jeitos de mostrar isso mudaram.

Texto postado originalmente no WordPress.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply