Pessoal

Ensaio sobre a paixão

Eu sou uma pessoa muito criativa pela manhã. Não sei se nasci com essa eficiência matinal, ou se fui obrigada a isso pelo fato de estudar cedo desde sempre. O que eu sei é que as primeiras horas são, definitivamente, as mais produtivas do meu dia, e isso significa que eu desperdiço grande parte do meu potencial pensando coisa aleatória em ônibus.

Podem rir, mas eu juro que é verdade. Nunca penso nada de grande relevância para a humanidade ou para a minha vida nesse momento, mas as ideias inúteis florescem como margaridas. E talvez seja disso que essa ideia louca de BEDA vai se alimentar esse mês.

Minhas divagações do dia de hoje começaram no ponto de ônibus quando eu, sem nenhum motivo plausível que não a aproximação do feriado, tentava (e falhava miseravelmente) lembrar dos nomes dos dias da semana santa. Pois é.

Que o domingo é de páscoa, todo mundo sabe; o sábado de aleluia eu tirei do útero; minha dúvida veio na hora da paixão (RISOS). É que por algum motivo eu jurava que o dia da paixão era sexta-feira, mas aí as contas não fechavam.

Legião falou que no terceiro dia, ninguém ressuscitou; logo, foi no terceiro dia que o cara lá supostamente ressuscitou. Mas ele ressuscitou na Páscoa (não foi? Acho que gastei todo o conhecimento bíblico que eu nem sabia que tinha com essas divagações), e o terceiro dia de sexta-feira não é domingo. Fiz algumas rearrumações na minha semana santa e cheguei à conclusão que a quinta é da paixão, sexta é santa, sábado é de aleluia e domingo é de páscoa. (Até eu chegar em casa à noite e perguntar pra mamãe e descobrir que a paixão é na sexta mesmo, e a quinta sabe deus o que é.)

E aí, com o mistério supostamente resolvido, a minha mente precisou achar outra coisa pra se preocupar, e escolheu se preocupar com a paixão, e com semântica. Já que outra coisa que me gusta mucho é a semântica. Processei toda a informação que eu tirei de algum outro órgão interno, porque já tinha gasto o útero com a bíblia, e esbocei esse post na cabeça, mas acho apropriado começar com um dicionário.

pai.xão1

sf (lat passione) 1 Sentimento forte, como o amor, o ódio etc. 2 Movimento impetuoso da alma para o bem ou para o mal. 3 Mais comumente paixão designa amor, atração de um sexo pelo outro. 4 Gosto muito vivo, acentuada predileção por alguma coisa. 5 A coisa, o objeto dessa predileção. 6 Parcialidade, prevenção pró ou contra alguma coisa. 7 Desgosto, mágoa, sofrimento prolongado. 8 Os tormentos padecidos por Cristo ou pelos mártires.

A primeira vez que eu me deparei com o significado número 8 foi naquele filme polêmico dos idos de sabe-se lá eu ano. Preciso reconhecer que no começo fiquei muito confusa e entendi completamente errado o que eles queriam dizer com A Paixão de Cristo.

Na minha vida toda, eu só tinha ouvido a palavra paixão sendo usada como sinônimo de amor, e as duas coisas estavam irremediavelmente ligadas na minha cabecinha. Depois desse incidente, eu aprendi que as coisas não são sempre assim, e que a palavra paixão, como a maioria das outras, tem mais de um significado. Mas foi só hoje que eu parei pra pensar que na verdade a ligação entre amor e paixão não é nada mais do que contingencial.

Oi? Talvez eu tenha falado um pouco difícil, foi mal. O que eu quis dizer é que paixão e amor podem andar de mãos dadas aqui e ali, mas que as duas coisas não são gêmeas siamesas inoperáveis. Amor é… amor. Paixão é fogo (em todos os sentidos possíveis dessa frase).

Sim, para aceitar que mais comumente paixão designa amor, atração de um sexo pelo outro” e, ao mesmo significa “desgosto, mágoa, sofrimento prolongado”, as duas coisas têm que estar ligadas de alguma forma. E a gente sabe que estão.

paixaopigeon

Mas a natureza da paixão é bem outra. Amor é aquilo que deixa seu coração quentinho, é um sentimento, e obviamente é sentido de uma forma peculiar por cada um. Paixão é taquicardia, é inquietude, vontade de se jogar do oitavo andar, necessidade, e todas as sensações físicas que a gente sente nesses momentos. Paixão é intensidade. Amor é rosa, paixão é vermelho.

Então eu constatei que sou uma pessoa viciada em paixão. Eu gosto da sensação de precisar de algo, eu gosto do desconforto que vem daquela sensação intensa. Eu quero isso pra minha vida o tempo todo. Eu acho que sou, da minha própria forma, viciada em adrenalina.

fogo

Durante esse mês de abril, estarei eu participando do BEDA (blog every day in april), o que significa que todo dia tem post saindo do forno pra vocês. Me amem.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply Alessandra Rocha 3 de abril de 2015 at 01:59

    Também demorei horrores pra entender a sexta-feira da paixão e confesso que seu tweet sobre o assunto me deixou matutando isso o dia inteiro! Mas aí eu liguei o nome ao filme e como ele conta sobre a crucificação de Jesus e cheguei nisso… Que eu não sei exatamente o que é, mas eu suponho que ele tenha feito a via sacra(?)/crucificação na sexta feira da paixão, o sabado… Bom, sei lá pra que serviu o sábado e ressucitou no domingo de páscoa né? Eu acho. Na verdade uma das minhas birras com essas coisas é que na minha humilde ignorância eles não tinham os dias da semana pra inventar essas coisas então acho meio inverossímil… Mas até aí, dizem que a bíblia é o livro de ficção mais vendido do mundo.

    Falando de uma coisa totalmente aleatória agora, já tive meus momentos de não acreditar em Jesus, de achar que ele é só uma personagem inventada pra se basear uma religião… Até eu começar a pensar nele como um cara normal, gente como a gente que calhou de vir num mundo menos desenvolvido do que ele pra ensinar um pouquinho a gente… Ainda tenho dificuldades de pensar nele como alguma coisa santa, mas já não acredito que ele não tenha existido de fato.

    Acho que futuramente vou ter que estudar um pouco de religião pra resolver esse nó na minha cabeça, enquanto isso vou ficar aqui quicando na cadeira acompanhando seu BEDA porque adoro o jeito que você escreve Palo!

    Beijos! <3

  • Reply Carol 3 de abril de 2015 at 18:29

    Amo/sou pensamentos randômicos, ainda mais quando viram posts. Certamente acompanharei esse BEDA porque amei o jeito que esse post se desenrolou hahah
    Eu sou o oposto de você. Pelo menos na maior parte do tempo. Apesar de gostar do *cof cof* “fogo”, prefiro o quentinho e aconchegante. Será que isso me torna uma senhora de 80 anos?

    Beijo!

  • Reply Analu 3 de abril de 2015 at 18:59

    Menina! Agora entendi tudo. Sempre que minha mãe vai contar uma história onde alguma pessoa está muito triste ela diz “fulano está apaixonado” e eu NUNCA entendi a escolha do termo. Quer dizer então que paixão realmente pode querer dizer sofrimento. Olha só que coisa! Seu BEDA é super cultura!
    Te amo <3

  • Reply Ana 4 de abril de 2015 at 23:45

    Eu nunca tinha parado pra pensar nisso, e nunca tinha nem cruzado a minha cabeça que paixão pudesse ter algum significado que fosse qualquer coisa parecida com desgosto ou mágoa.

    E agora fiquei pensando. Eu não sou muito fã de rosa, sabe? E existe todo um abismo entre estar amando e estar apaixonada. Eu sempre fui vermelho, gosto de pensar. Sempre preferi vermelho, Sou vermelho-Marcelo-Camelo. Nunca rosa. E eu quero vermelho na vida também, que nem tu, e não rosa.

    Mas o vermelho é mais difícil de lidar do que o rosa, né?

    Então acho que eu quero vermelho pelo tempo que puder, até que alguém venha meio branco se misturar comigo. Não totalmente me alterando, mas alterando o resultado e ficando… Rosa.

    Beijos!

  • Leave a Reply