Pessoal

Essa vida de escritor

Como já dizia meu querido Dumbledore, só porque algo existe apenas na sua cabeça, não significa que não é real. Quem é escritor sabe bem disso. Você senta para escrever com a trama toda esquematizada e então, dez palavras depois, a história já tomou o rumo que bem entendeu e seu personagem principal, que deveria ser celibatário, teve um caso com a mulher do melhor amigo e tem 35 filhos ilegítimos espalhados pelo mundo.

Eu sempre achei que esse descontrole crônico fosse um problema meu, não é possível que todos os personagens de ficção fossem tão indisciplinados, mas desde que o NaNoWriMo começou e eu resolvi entrar em dois grupos no Facebook relacionados ao projeto, me dei conta de que é algo super normal. Acontece com todos que têm um pouco de imaginação.

É muito bom estar em um grupo de pessoas que te entendem, que te consolam quando sua trama sai do controle, quando você perde o último um milhão de palavras que escreveu e esqueceu de salvar, quando a sua história cruza os braços e bate o pé, se recusando terminantemente a te ajudar a cumprir a meta do dia. Histórias são teimosas às vezes. Mas nada que a gente não dê um jeito juntos. Que tal um sprint? Fica calma, uma hora as coisas andam. Segue em frente, você não pode desistir agora! Parece que rola um sentimento de solidariedade que vêm da plena consciência de que estamos todos no mesmo barco – se hoje você se ferra, amanhã posso ser eu.

A gente divide técnicas, a gente divide dicas. A gente compartilha experiências de vida. Por que todos precisam cometer os mesmos erros para aprender, se podemos nos ensinar mutuamente?

Um mundo de escritores é um mundo mágico, e olha que eu nem imaginava que existiam tantos de nós no mundo.  Não sei se de uma hora para a outra todos resolveram escrever, ou se eles sempre estiveram lá e eu só demorei a encontrar, mas estou muito satisfeita de ter essa oportunidade de participar dessa realidade paralela.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

2 Comments

  • Reply Anna Vitória 7 de novembro de 2013 at 09:50

    Palo, estou adorando acompanhar seu diário de escritora! Escrever é mesmo muito louco, né? Acho tão engraçado quando as coisas fogem totalmente ao nosso controle, vivo me perdendo na história da minha personagem da Terapia. No último texto que escrevi, só fui perceber alguns dias depois um detalhe que deixei escapar que invalidava toda uma premissa que eu tinha pensando antes.
    Mas acho que, quando isso acontece, significa que estamos criando. Mesmo sem controle, mesmo que tudo pareça acontecer apesar dos nossos esforços, no fim das contas estamos criando. É tudo coisa da nossa cabeça.
    Boa sorte com o projeto! Quero muito ler o resultado final 🙂
    Beijos e sdds <3

  • Reply Suzi (Vulgo, Emilie) 19 de novembro de 2013 at 14:42

    Fiquei curiosa. Nunca entrei num grupo de escritores.

  • Leave a Reply