Pessoal

Mais um trem potencialmente bem errado

Não tem muito tempo que eu fui iniciada por amiga Anna Chicória no maravilhoso mundo das newsletters, esse universo paralelo onde você recebe coisas bacanas direto no aconchego do seu e-mail, compensando as toneladas de spams que são despejados lá todos os dias. Perdida que sou, comecei aos poucos, assinando uma aqui, outra acolá; lendo todas por questão de princípio. Quase um preparativo para o Ultimate Tutorial de Newsletter que ela tinha prometido.

O ano virou e ela anunciou no twitter que o mapa para esse mundo maravilhoso tinha sido liberado, e tinha uma surpresa. Conhecendo as amigas que tenho, eu não precisei nem abrir o link para saber qual era a surpresa, mas abri o link mesmo assim — correndo — porque eu estava muito ansiosa pelo post e para confirmar minhas expectativas.

Certíssima estava eu. Além de explicar de forma muito didática o que exatamente é esse troço de newsletter (conceito que ainda me deixava um tanto confusa), ela indicou várias newsletters (que assinei todas), e — por fim, mas não menos importante — anunciou o lançamento mais esperado do ano: No Recreio, a newsletter dela, novinha em folha.

E então chegamos aqui. Mentira, ainda não chegamos aqui, chegamos s apenas ao parêntese no qual eu tento explicar para vocês resumidamente todo o meu amor por e-mails.

E-mails são como cartas, mas sem o gasto de energia (e dinheiro) de endereçar um envelope, levantar da cadeira e ir até a agência de correios mais próxima. Eu uso e-mails como forma de abrir meu coração e despejar meus sentimentos mais profundos (sim) nos ombros de algum sofredor desavisado. Quer me ver feliz? Responde meu e-mail e/ou comece uma correspondência comigo. Te amarei para sempre, e muito rápido, por motivos de: vou dividir meus temores e desejos mais profundos com você. Sou esse tipo de pessoa formada à base de Jane Austen.

Dessa forma, quando li aquele conceito cuidadosamente detalhado do vocábulo (s.f.) newsletter, a única coisa que eu pensei foi: QUERO. Quero muito.

Mas logo depois pensei que preciso deixar de ser uma ridícula que tem vontade de fazer tudo o que as amigas fazem e chora por dentro por não ter descoberto algo antes para não ter que se sentir culpada de copiar as amiguinhas. Respira. Perdão pela falta de vírgulas. Então segurei minha periquita e fiquei quietinha na minha.

Quietinha na minha, vírgula, até Bananalu confessar seu desejo intenso de ser maria-vai-com-as-outras. Coloquei fogo na lenha: nossa, amiga, sim, vai! Seguindo com um: se você for, eu vou! E fechando em: E acho que devíamos ir todas! Tenho uma mente maquiavélica.

Mas, entretanto, porém, contudo, todavia etc. Deu certo. E todos esses milhões de parágrafos acima foram apenas para anunciar que: eu também tenho uma newletter. Risos. Então vocês, eventuais leitores fantasmas (tem alguém aí?) podem assinar aqui e começar a receber de graça — eu disse DE GRAÇA, não é ótimo? — correspondências dessa que vos fala.

Uma edição experimental foi ao ar no sábado, apenas porque eu realmente não sei segurar minha periquita. Quem recebeu, recebeu; quem não recebeu, não recebe mais (a não ser que vocês queiram muito, mas não foi essa coca-cola toda). Agora estou providenciando todas as frescuras sem as quais não sei viver, e a edição inaugurativa(?) oficial talvez vá ao ar essa semana, mas ainda não defini um dia.

Apesar disso, não precisam se preocupar; prometo não lotar a caixa de e-mails de vocês. Provavelmente vocês vão receber notícias a cada duas semanas (mas posso reduzir para uma, se eu não conseguir me segurar). A linha editorial, a gente descobre juntas.

Por último, mas não menos importante, vocês são mais que bem vindos para dar um reply rapidão e bater um papinho comigo. Seriously.

lor_dream

Previous Post Next Post

You Might Also Like

12 Comments

  • Reply Banana 25 de janeiro de 2016 at 18:44

    HAHAHA, amiga, eu saquei a sua NA HORA. Também tava tipo você: quero ser maria-vai-com-as-outras mas não queria ser a única. Cantei a bola e você saiu correndo, eu pensei: ELA TAVA NA MESMA QUE EU, hehehe.
    Também to feliz da vida com essa folia, espero receber muita delícia de vocês na minha caixa de e-mail.
    Te amo! <3

  • Reply Plan 25 de janeiro de 2016 at 19:35

    Ai, amiga. Eu to tão feliz com essa nossa folia por newsletter. Anna Vitória sempre sendo nossa guia das internets <3
    Eu amei o seu primeiro texto e já to esperando ansiosa pelo próximo! E vou responder todas, pode esperar.
    Te amo! <3

  • Reply Carol 26 de janeiro de 2016 at 00:58

    Gente, mas eu to amando essa onde de criação de newsletter??? No momento assinando todas que me aparecem pela frente, porque achei a coisa mais amô dessa vida. Amo receber e-mail, amo saber tudo que acontece na vida alheia hahahah

    Já está assinadíssima <3

    Beijo!

  • Reply Brendha Cardoso 26 de janeiro de 2016 at 04:22

    PALOOOOOO, xô te confessar. Comecei a ler o post pensando “será que ela teria a pachorra de não criar uma?” mas não, você criou e me dá licença que vou ali assinar rapidão.

    Pronto. Acabei de confirmar o e-mail (e ver que chegou uma cartinha da Anna, QUE MÁXIMO, já tô amando isso) e tô louca pra receber uma cartinha sua <3

    Isso tudo me lembrou aquele primeiro e-mail que tu me mandou (lembra?) e o quanto eu fiquei FELIZ, ANIMADA, SURPRESA e o quanto eu amei te conhecer um pouquinho melhor. Era quase que como ter um post do teu blog todinho só pra mim. Sdds.

    Anyway. Fiquei com mó vontadinha de criar uma pra mim, mas é um projeto que não tem futuro pra mim, então me contento em ler a de vocês.

    Já disse que todas vocês são demais?
    <3

  • Reply Thay 26 de janeiro de 2016 at 15:46

    Estou adorando essa folia da newsletter! Já me inscrevi em várias delas, já recebi algumas inclusive, e só estou aguardando a estréia das próximas. Só não faço uma pra mim porque já está difícil o suficiente manter o blog, o trabalho e os seriados em dia, HAHA. PRONTO! Estou inscrita na sua também, só esperando a novidade chegar na minha caixa de mensagens. Um beijo!

  • Reply Alessandra Rocha 26 de janeiro de 2016 at 18:32

    Palominha, já sabe que já virei fã da sua newsletter por conta do nível de identificação e foi muito bom ter um outro tipo de comunicação não instantânea (não sei manter conversas via whatsapp ou facebook messenger) e quero todo dia, pode? hahahah
    Acabei caindo na folia também e fiz uma 😡 ops hahah mas achei esse seu texto delicinha e o inaugurativo deu vontade de sentar pra gente tomar uma cerveja e conspirar sobre nossa vida haha

    Enfim, to divagando.

    beijos! <3

  • Reply Marina Matos 26 de janeiro de 2016 at 21:04

    Também amo e-mails e, obviamente, já assinei todas. Tô amando ler tudo que vocês estão mandando.
    Por favor, não parem, suas lindas!!

    Beijo beijo!
    Marina

  • Reply Gabriela 27 de janeiro de 2016 at 10:29

    E-mails cartinha <3

  • Reply Chiquinha 28 de janeiro de 2016 at 19:48

    Amiga, por favor, jamais segure sua periquita.
    Essa é a minha mensagem.
    beijos de luz
    te amo

  • Reply Natalia 28 de janeiro de 2016 at 21:06

    Gente, só eu que não to sabendo da moda das newsletters? rs

    Beijim!

  • Reply Juliana B. 3 de fevereiro de 2016 at 14:13

    Também estou assim meio sentido culpada por não ter descoberto antes, porque QUERO MUITO CRIAR UMA NEWSLETTER

  • Reply Juliana B. 3 de fevereiro de 2016 at 14:39

    Também estou me sentindo um cadinho culpada por não ter descoberto antes, porque QUERO MUITO CRIAR UMA NEWSLETTER! (não sei como, mas o comentário resolve se publicar sozinho, anyway) Acho essa ideia de cartas virtuais tão legal. Já assinei sua newsletter e aguardo ansiosamente a próxima edição.
    Beijos.

  • Leave a Reply