Pessoal

Mosquito invisível

Queria que vocês estivessem aqui para dar uma olhada no meu pé. Ele está inchado vermelho, e a coceira está me deixando louca.
Eu nunca fui uma pessoa alérgica. Nunca mesmo. Eu morei anos da minha vida no meio do mato, onde as pessoas tinham um toque de recolher obrigatório, porque às cinco da tarde os mosquitos saiam das suas casas e devoravam todas que estavam no caminho. Era impossível não ser mordido – e coçava um pouco, claro – mas era isso, uma coceirinha e nada mais. Nada de bolinhas vermelhas, nada de partes do corpo inchadas.
E minha vida foi assim, linda e maravilhosa, até o dia em que minhas aulas na faculdade foram substituídas por um filme no auditório da EMERJ (Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro).
Eu acordei, peguei meu ônibus, parei para tomar café no Mcdonald. Tudo bem. Assisti ao filme. Tudo ótimo. Almocei com as amigas. Belezura. Fui para o estágio, onde eu tinha uma tradução gigante e ultra urgente. Tranqüilo.
E lá passei eu metade da tarde, sem desviar a atenção do computador nem por um segundo. Do fato que eu passei o tempo todo coçando o braço eu só fui me dar conta depois. Tarefa terminada, sempre desce aquele alívio combinado com a vontade de ir ao banheiro que você não tinha percebido antes.
Entrei no banheiro, olhei para o espelho e eis que eu me deparo com uma imagem terrível: ali, onde deveria estar meu braço esquerdo, estava o braço do Popeye. Parem de rir, é sério. Meu braço, próximo ao cotovelo, estava absurdamente inchado, vermelho, quente e, pior de tudo, COÇANDO FEITO O INFERNO.
E inchado, vermelho, quente e coçando ele permaneceu por 4~5 dias. E até hoje eu não sei o que aconteceu com ele – a única evidência deixada foi um furinho minúsculo no meio da bagunça toda.
Algumas semanas se passaram e eu estava me recuperando do trauma quando, no meio de uma palestra, sinto o meu pé direito coçar loucamente, perto dos dedos. Já olhei para ele, desesperada, esperando ver uma bola. Mas tudo estava normal.
Coçou pra valer por alguns dias, e eu achei que finalmente tinha passado quando, um belo dia, estava eu no sofá sozinha assistindo a minha novela<link>, e sinto uma coceira forte no mesmo pé. Mas não era no mesmo lugar, era próximo ao calcanhar, bem perto do ossinho. Ou de onde o ossinho costumava ficar.

Olhei para baixo e me deparei com essa monstruosidade: meu pé parecendo uma almofadinha (parecendo até o da minha avozinha). Vermelho e coçando. E a única pista do(s) autor(es): dois furinhos.
Isso foi terça-feira à noite. Agora (quinta-feira no fim da tarde), ele continua no mesmo estado. O pior de tudo é que – apesar de o pé ser um lugar mais “escondido” que o braço – eu não posso coçar, não importa o quando eu queira. Não pega bem coçar o pé em público.
É aí que eu me pergunto: como pode um bicho (que eu só posso presumir ser um mosquito – do tipo invisível) que eu nunca vejo e nunca sinto, fazer um estrago tão grande? Será que alguém pode me dizer?
Pessoas alérgicas: aceito dicas.
Previous Post Next Post

You Might Also Like

3 Comments

  • Reply Ana Luísa 1 de junho de 2013 at 23:45

    Amiga, tem que ver isso aí! Não quero te assutar, mas se eu não me engano, bicho que deixa dois buraquinhos quando morde é aranha… Fique de olho!!
    Beijo!

  • Reply Gabriela, 3 de junho de 2013 at 01:31

    Será que não foi uma aranha? Picada de aranha geralmente incha e coça por dias. E algumas são venenosas, né? Cuida disso aí direitinho, hein! hahaha
    Beijo.

  • Reply Julianna Alves 6 de junho de 2013 at 21:13

    Pah, na última Copa do Mundo, eu fui assistir um jogo na casa do Rique e exatamente a mesma coisa aconteceu com o meu pé! Coça demais, fica gigantesco – tipo um balão mesmo, descrição perfeita – e com esses furinhos. Fui num médico – olá Rios D’Or haha – e ele falou que foi provavelmente mosquito. No seu trabalho eu não sei, mas por aí onde vocês moram tem esses monstrinhos horríveis ><
    beijinhos e melhoras!

  • Leave a Reply