Pessoal

Nadando sem ver a praia

Entrei na reta final. Os vestibulares estão aí na cara. Pilhas de coisas que eu deveria estar estudando, zilhões de redações que deveria estar escrevendo, prova da PUC domingo e, de forma extremamente conveniente, festa do terceiro ano na sexta. Mas pra falar de vestibular eu não preciso vir até aqui, certo? Ele já tá suficientemente na minha vida pra não ter que invadir também o meu bloguinho.
Por falar em boguinho. Ele, convenhamos, está em estado deplorável, coitadinho. Mas todos entendem a minha situação (eu espero), e isso agora simplesmente não é uma prioridade.
Eu tinha pensado em algo bem legal pra postar aqui. Pelo menos eu acho que era legal, mas não tenho como ter certeza, já que não faço ideia do que era. Eu tenho uma mania que me enxe de raiva de achar um tema interessante, escrever um post inteirinho na minha cabeça e depois deletar ele por algum defeito de fabricação do meu cérebro. Eu acho que minha memória não é muito boa. Talvez devesse andar com um caderninho, mas não acho que essa seja a solução, já que provavelmente eu ficaria com preguiça de pescar as ideias na minha cabeça oca e colocá-las em local seguro.
Eu brinco, mas de vez em quando eu me pergunto se eu realmente não vim com algum defeito de fabricação. Seria lógico. Primogênita, os espermatzóides do meu pai e os óvulos da minha mãe eram novinhos e inexperientes naquela época, e tal. Enfim, algo pode ter dado errado, nunca se sabe. Mas a raíz da questão é essa: eu penso o tempo todo. Não ri, é sério! Na minha opinião o cérebro de uma pessoa normal devia ter umas horinhas de descanço por dia, pra se refazer e coisas do tipo. Mas o meu não para, mesmo quando eu gostaria que ele parasse. E às vezes vêm do nada os pensamentos mais aleatórios que podem existir na Terra.
Tem gente pior que eu, disso eu tenho certeza. Se não fosse assim ninguém tinha inventado nada na história da humanidade. Pena que até pra isso eu sou inútil. Meus pensamentos aleatórios nunca parecem ser práticos e originais o suficiente. E pra mim, se for pra fazer mal feito, melhor não fazer. Anyway, talvez um dia, só por experiência eu anote todos os pensamentos que tiver da hora que acordo até a hora que vou dormir e poste aqui pra ouvir as opiniões sobre a minha (falta de) sanidade mental.
Tô morta. Estou convalescente de uma gripe (ou algo que o valha) e acho que são os milhares de remédios que o médico da emergência receitou que estão me deixando assim. Ou talvez seja só meu corpo mesmo tentando me dizer que é preguiçoso e precisa recarregar as baterias.
Texto postado originalmente no WordPress.
Previous Post Next Post

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply