Pessoal

O interminável mês de Agosto

Em todos os aspectos possíveis, agosto foi um mês intenso, que começou antes mesmo de começar. Começou com o trabalho não-muito-árduo de convencer algumas amigas a participarem comigo dessa enorme cilada que se chama BEDA. Começou com planos, esperanças, reuniões de pauta que sempre terminam em folia e apostas sobre quanto tempo a nossa disposição duraria.

Até que durou bastante, na verdade. As duas primeiras semanas testemunharam bastante energia e entusiasmo da nossa parte. Conseguimos manter o combinado, e chegamos a prever que sentiríamos saudade quando isso tudo terminasse. Talvez a gente sinta, mesmo, só me deixem recuperar o fôlego antes de decidir.

Passei praticamente metade do mês viajando, o que com certeza atrapalhou um pouco meu BEDA. Talvez o sucesso tivesse sido um pouco maior e os textos um pouco menos piores se no meio do caminho não tivesse Kansas, se não tivesse Kansas no meio do caminho. Ainda assim, apesar de não estar nada satisfeita com o resultado do meu trabalho, esse mês de agosto interminável me trouxe milhares de coisas bacanas, dentre as quais eu destacaria sem medo (1) a certeza de que eu posso chegar até o fim de um projeto, (2) a confirmação de que tudo é mais bacana e mais fácil quando você tem pessoas maravilhosas compartilhando da sua cilada e (3) um ligeiro desbloqueio da minha criatividade, que tem tempos não anda lá essas coisas.

Ser escritora é um sonho meu desde que eu me lembro, e eu já estava completamente convencida de que isso nunca ia acontecer. Mas graças ao BEDA eu começo a sentir esperanças novamente. Não existe nada melhor para estimular a escrita do que escrever, já disseram muitos manuais de escrita.

As últimas duas semanas foram um grande misto de frustração, preguiça e vontade de jogar tudo para o alto. Mas nós continuamos e vencemos. Agora, só porque estamos chegando no fim (aleluia), eu já sinto a nostalgia da segunda semana começando a se aproximar novamente. Quem sabe esse tenha sido o pontapé inicial para eu me tornar uma blogueira melhor.

Independente do que aconteça daqui para a frente, foi sem dúvida uma experiência incrível que eu vou levar na bagagem, junto com textos maravilhosos de muita gente que trilhou esse caminho comigo.

Das meninas da máfia, vai ficar para a vida Analu contando sobre a noite que viramos na balada e terminamos vendo o sol nascer na praia, o recado para uma certa Mariana (que bem podia ser para mim) e aquele texto que me fez lembrar como eu amo essa casa de Hogwarts que nem é minha.

A Sharon me fazendo chorar explicando para o mundo que ter vinte e poucos anos é maravilhoso e terrível ao mesmo tempo, e com a carta que ela escreveu para ela do futuro (que também podia ter sido para mim) e relembrando também os dias maravilhosos em que ela veio pro Rio encontrar um monte de gente que ela nunca tinha visto antes.

Anna Chicória sendo, para variar, minha alma gêmea, mostrando para o mundo que a nossa casa também é bacana (e, como sempre, falando muito mais do que isso), falando sobre a vida a partir de uma análise do CD mais recente da Sandy, e conseguindo arrasar desde o post de abertura dessa nossa maravilhosa cilada.

Coutinha, tentando fazer com que a gente entenda que as pessoas mudam e tudo bem, e me fazendo rir como sempre com o causo da estante e as peculiaridades de vovó Couth (todos causos que eu já tinha ouvido antes, ao vivo, mas não vou cansar nunca).

E por último, mas não menos importante (apenas porque acho mais justo seguir uma ordem alfabética), Irala, nossa planzinha, nos brindando com o melhor vídeo do universo, ou contando sobre essa barra que é ser professora, ou indicando um filme que já estou morrendo de vontade de assistir.

Sem nenhuma dúvida, esse mês me deu a chance de conhecer um pouquinho mais de algumas das minhas melhores amigas. E também de outras companheiras que concluíram essa saga e deixaram tantos textos maravilhosos no caminho, como a Alê, a Ana Cláudia (vocês deveriam ler esse texto, inclusive) e a Ana Flávia.

Foi definitivamente um mês terrível e maravilhoso. E foi ótimo estar por aqui com vocês. Até logo.

Esse post é parte integrante (e final) do meu BEDA de 2015. Para saber mais sobre essa cilada leia esse post.

Follow my blog with Bloglovin

Previous Post Next Post

You Might Also Like

9 Comments

  • Reply Chiquinha 31 de agosto de 2015 at 23:30

    Amiga, eu não tenho a menor dúvida de que você vai ser escritora um dia. Você é a pássara da eficiência, que produz posts como quem lixa as unhas, e se você disser mais uma vez que o conteúdo do seu BEDA foi ruim eu vou até esse Rio de Janeiro esfolar essa sua cara linda na brita, combinado? Se tem uma coisa que essa aventura me ensinou foi que a gente pode MUITO mais do que acredita, e que por isso mesmo precisa acreditar muito mais. Porque funciona. Eu acredito em você. <3

    MUITO obrigada por ter vindo esfregar suas penas amarelinhas em mim, tornando impossível a tarefa de dizer não pra essa sua ideia tão errada e tão certa. Foi tudo muito especial, e viver isso com a gente só tornou a experiência melhor (e possível, não duraria dois dias sozinha).

    Te amo muito <3

  • Reply Plân 1 de setembro de 2015 at 00:13

    Amiga, eu tenho muito orgulho de ti que convenceu todo mundo, viajou por semanas e ainda sim se manteve firme e forte no BEDA. Que mulher!
    É óbvio que tu vai ser escritora, óbvio que vou amar o que tu escrever e óbvio que vai ser incrível.
    O BEDA me deixou ainda mais confiante nas minhas amigas. Vocês são incríveis.
    NÓS SOMOS. Conseguimos, amiga!

    Te amo <3

  • Reply Analu 1 de setembro de 2015 at 12:36

    Amiga, quando você chegou sem pudor nenhum me convidando para BEDAr eu juro que não imaginei que 1) tanta gente ia entrar na cilada também 2) que ia ter tanto amor 3) que ia ter tanta folia 4) que a gente ia chegar até aqui!
    E olha só, tudo isso aconteceu e foi maravilhoso.
    Obrigada pela ideia, obrigada pelos 31 dias, pelos 31 textos, pelos 31 mimos.

    Te amo muito! <3

  • Reply Ana Flávia 1 de setembro de 2015 at 13:42

    Oi Palominha! (íntima depois de 31 posts) (muita gente não gosta de diminutivo no nome, mas como ainda não sei, queria ser mais carinhosa. hihihi)
    Acabou e nós conseguimos, hein? Foi incrível essa brincadeira, mesmo após as duas semanas de euforia! Foi ótimo ler mais de você aqui e receber você lá no Prato. 🙂
    Acho que valeu muito o aprendizado e como disse, o desbloqueio da criatividade. Aparentemente, podemos escrever de tudo e todos né? Basta começar.
    Um beijo enorme e seguimos com o BEDS, BEDO, BEDD, mesmo que sejam posts uma vez por semana! O importante é aproveitar um pouco do gás. hahahhaha

  • Reply Kaka Farias 1 de setembro de 2015 at 16:33

    Gente, melhor maneira de treinar a escrita, é escrevendo. E vcs que toparam o desafio e tiveram essa conquista, vão looonge! Baita desafio e estão de parabéns! <3

  • Reply Ana 3 de setembro de 2015 at 10:12

    Demorei mas cheguei. Era pra eu ter comentado e mimado tudo ainda dia 31 ou dia 1 mas só de me ver livre do BEDA eu fui fazer outras coisas. Shame on me.

    Que mês louco e longo agosto foi, né? Eu nunca pensei que conseguiria postar durante 31 dias. A qualidade, claro, não foi sempre a mesma. Mas sem nada não ficou.

    ‘Brigada por me mencionar e mencionar meu texto (e acredite se quiser, meu nome não tem acento HAHAHAHAHAH).

    Beijos! E não some.

  • Reply Tatiane 6 de setembro de 2015 at 15:52

    Esse agosto nem foi o mês do desgosto, né?
    Se eu falar que to com saudades de ter post todo dia (não comentava mas lia pelo celular) você me bate?

    Novembro Inconstante

  • Reply Nana 12 de setembro de 2015 at 09:47

    Acho que já perdi a conta de quantas pessoas reclamaram do interminável mês de agosto. Pra mim, até que não foi de todo ruim, tirando a grana curta.
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com

  • Reply Tatiane 12 de setembro de 2015 at 20:54

    Pior coisa de não ter feito o BEDA; agora ta todo mundo parado e eu to surtando porque quero posts
    Horrível a vida

    Novembro Inconstante

  • Leave a Reply