Pessoal

O nervoso da calma

Eu não sou a pessoa mais calma do mundo, como minhas dores de estômago de estresse gostam de ressaltar. Eu sou perfeccionista, eu gosto de tudo do meu jeito, eu sempre curti planejar, organizar e ter um certo controle sobre tudo. Por outro lado (graças a deus) eu também sou a maior fã de espontaneidade, fazer o que der na telha e não ter que seguir uma rotina uniforme. Entre uma coisa e outra, como toda pessoa normal, estou mais do que acostumada a sentir o medo na forma de um iceberg na boca do estômago quando estou na beira de uma grande mudança.

Como todo mundo já está cansado de saber, estou à beira de uma grande mudança. Logo, estou há pelo menos um mês sentada, esperando o iceberg despontar no horizonte.

esperandoneide

Só que ele me deu um bolo.

Já devo ter escrito pelo menos um milhão de vezes no journal que quando o nervosismo vier, vai vir com tudo e me virar do avesso, mas já comecei a desacreditar disso. Eu jurava que a ficha não tinha caído ainda — mas minhas coisas todas já estão no apartamento novo, o que significa que ou a ficha já caiu, ou ela é a ficha mais lenta do oeste. Eu apostei que o impacto ia vir quando eu visse todas as minhas coisas em caixas, mas passei as últimas horas de ontem e as primeiras de hoje encaixotando, e nada. Minha última chance de surtar é o dia em que a mudança estiver completa, mas a esperança já tá morrendo.

Você pode até achar sem sentido e idiota essa minha preocupação, mas eu juro pra vocês que essa calma toda já está quase me deixando nervosa (sim).

Tudo porque, gente, ficar nervosa é normal. Mais especificamente, ficar nervosa é normal pra mim. E cá estou eu, curtindo o processo, mas sentindo uma falta imensa do nervosismo da mudança. Porque a experiência não parece completa sem aquele friozinho no estômago.

Talvez todos os meses que eu passei pensando nesse momento tenham feito com que tudo ficasse natural demais. Talvez eu esteja me sentindo tão pronta pra isso que seja apenas o único caminho possível. Ou talvez em algum lugar no meio do caminho, entre todas as mudanças que ocorreram em mim no ano passado, eu tenha virado esse tipo de gente (que eu nunca achei que existisse) capaz de sentir animação pura, sem ansiedade misturada.

Talvez eu só tenha que me acostumar com esse meu novo jeito de ser, e talvez ele seja bom também.

Durante esse mês de abril, estarei eu participando do BEDA (blog every day in april), o que significa que todo dia tem post saindo do forno pra vocês. Me amem.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply Analu 3 de abril de 2015 at 23:19

    Amiga, sua teoria pode ser maluca mas eu te entendo totalmente! Sei que dá um nervoso danado a gente não estar nervosa quando deveria, A primeira vez (e única) que subi no palco sem nervoso nenhum eu estava apavorada com a falta de nervoso – e não deu em boa coisa. Foi a pior apresentação que fizemos na vida, deu tanta merda que até o cenário caiu!!! Mas isso diz sobre teatro (a falta de nervosismo sempre dá merda) e não em mudanças. Você está calma porque está segura do que está fazendo, e isso é lindo. Te amo e te desejo toda sorte do mundo nessa nova etapa. Me convida pra um café?
    Beijo!

  • Reply Alessandra Rocha 3 de abril de 2015 at 23:41

    BAHhhahahaahahahahahah ESSE GIF DE MY LITTLE PONEY É GENIAL! Quero ele pra vida!
    E Palominha eu te entendo. Eu sou uma das pessoas mais medrosas que eu conheço e o sentimento de borboletas com frio na minha barriga é mais do que conhecido, infelizmente (ou não) é uma sensação que vem se fazendo presente cada vez menos na minha vida… Parte disso pode ser devido ao fato de que minha vida anda bem monótona, mas isso não é desculpa porque eu sempre ficava ansiosa pros primeiros dias de aula na escola e na faculdade tudo o que eu pensava era “tomara que tenha gente decente na minha turma”, ou acho que nem isso…

    Eu acredito que quando eu for morar sozinha vai ser bem tranquilo porque já passei pelo terro e ansiedade aos 18 em Dublin, mas no seu caso acho que realmente é uma questão de oportunidade+preparação e isso é ótimo! Acho que seu nervosismo pode vir nos primeiros meses, que essa pode sim ser a ficha mais lenta do oeste, mas se não vier… Então acho que é mais uma coisa pra te dar certeza que foi o caminho certo!

    Espero que a mudança tenha sido tranquila e que não tenham estragado nada seu! E aproveite a vida de “gente grande que não mora mais com os pais” ahahah
    beijos!
    <3

  • Reply Xará 5 de abril de 2015 at 21:25

    Palo, amiga, super te entendo. Eu odeio ficar ansiosa, mas não ficar em situações que eu deveria estar me tira do sério. Não porque eu gosto da sensação de ficar nervosa, da ansiedade que toma conta de mim quando estou prestes a viver alguma novidade, apesar de curtir a expectativa, mas porque é uma coisa tão natural que ser privada de sentir isso é quase como se não estivesse vivendo a experiência inteira, sei lá. Eu não sei se é possível sentir animação pura sem nem um pingo de nervosismo. Mas vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos até confirmar que você se tornou um ser dessa espécie ou só demorou um pouquinho até ter algo com o que realmente se preocupar.

    beijo <3

  • Reply Algumas considerações sobre ser adulta ◂ Vizinha da Capitu 18 de setembro de 2015 at 15:57

    […] nada disso foi ao ar. Minha última postagem relacionada à mudança foi aquele em que eu contei como eu estava nervosa por estar tão calma em um momento tão importante. Ou talvez vocês contem aquele breve relato sobre Letícia me prendendo para fora de […]

  • Leave a Reply