Pessoal

O Porteiro (1/1001)

Esse post é o primeiro da série 1001 pessoas, ideia que eu “roubei” das migas Analu e Anna Vitória, e que foi inspirada nesse blog.

Eu tenho um bom relacionamento com porteiros. Sim, porteiros, aquelas pessoas (que costumam ser, em geral, do sexo masculino – sabe deus por que) que cuidam de portas e portarias. Não que eu tenha o costume de bater altos papos como meu irmão super simpático faz, mas eu cumprimento toda vez que passo, e eles parecem gostar de mim o suficiente. Foi assim no meu antigo condomínio, é assim no atual condomínio, e é assim no escritório.

Dito isso, meu conhecimento pessoal das vidas e hábitos dos porteiros é muito reduzido e se resume, basicamente, ao que eu observo nas minhas idas e vindas. Nesse ponto, são todos muito iguais, com a exceção de um: um dos porteiros do prédio em que eu trabalho.

O que ele tem de tão diferente? À primeira vista, nada. A não ser o fato de que ele está, 90% das vezes que eu posso lá, lendo. E é obvio que uma coisa dessas chama a atenção de pessoas como eu, não só porque foi a primeira vez que vi um porteiro lendo livros, como pelo fato de que eu tendo a prestar atenção especial em pessoas que estão lendo livros.

Foi isso que me levou a pensar que esse senhorzinho magrelo, que deve estar entre as casas dos cinquenta e sessenta anos de idade, é muito peculiar, apesar de parecer apenas qualquer senhorzinho-magrelo-de-meia-idade-que-vigia-uma-portaria. E por isso nutro há meses a ideia louca de fazer um post completamente irrelevante apenas para ressaltar minha curiosidade eterna sobre essa pessoa maravilhosa (além de ler, ele também é super gente boa, daquele jeito porteiro/tiozão de ser gente boa).

O simples fato de ele ler livros já seria suficiente para valer um post. Mas ele também impressiona pelo fato de que ele lê muitos livros mesmo, e as escolhas são as mais sensacionais.

Não faz muito tempo, ele leu a série toda do Harry Potter, um livro atrás do outro, em umas duas ou três semanas. Cada dia que eu passava lá era um livro diferente (o que me fez invejar um pouquinho o trabalho dele, obviamente). Antes disso ele já tinha lido toda a série de Crepúsculo. E depois veio As Crônicas de Nárnia, os livros da série de Cidades dos Ossos, alguns de Percy Jackson. Volta e meia algum livro aleatório que me é completamente desconhecido.

Uma pessoa que passa boa parte do dia lendo, e tem esse gosto sensacional, é um ser muito feliz e admirável, e certamente merece um post. Então, por favor, por favorzinho, alguém aí pode se juntar a mim na arte nada complexa de amar o meu porteiro?

Durante esse mês de abril, estarei eu participando do BEDA (blog every day in april), o que significa que todo dia tem post saindo do forno pra vocês. Por favor, não me abandonem nessa furada.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

3 Comments

  • Reply Analu 2 de abril de 2015 at 10:27

    Jamais abandonaria, tô empolgadíssima #vaitermimotododia <3
    E adorei que você também resolveu participar do projeto – eu estou super enrolada, só fiz 6 até agora e não consigo ter ideias. Inclusive, não consigo ter ideias de quase nada, fico tão chateada, antes era tão fácil. Vou ver se bebo na água da sua inspiração de postar 30 dias seguidos, porque eu não consigo nem pensar nessa possibilidade, hahaha.
    Amei seu porteiro leitor, sempre fico encantada quando encontro parceiros leitores pra minha vida, hahaha.
    Beijos! Te amo!

  • Reply Xará 2 de abril de 2015 at 11:18

    Amiga, jamais vou abandonar, mas tô te achando corajosa demais porque UM. POST. TODO. SANTO. DIA. Não sei lidar. Mas vai ter mimo pra dar e vender e se reclamar tem mais.

    Eu tinha pensado em roubar a ideia das meninas e participar desse projeto, mas acabei enrolando tanto que meio que desisti. Não é uma ideia que eu tenha abandonado de todo, mas assim né, quando vai rolar, nunca saberei. Tô encantada com seu porteiro <3

    beijo <3

  • Reply Alessandra Rocha 3 de abril de 2015 at 02:03

    AMO velhinhos que lêem todo e qualquer tipo de livro. Outro dia estava voltando não sei de qual lugar quando estava no metrô e sentou do meu lado um senhorzinho que tinha cara de ser um avô fofo e tirou um livro da mochila EM INGLÊS! Cara eu fiquei encantada e fiquei espiando ele pelo canto do olho!
    Também não tenho problemas com porteiros… Como eu sou criança de apartamento, eu nasci e fui criada no mesmo condomínio por dezoito anos, então os porteiros de lá me viram crescer e eram praticamente família! Com direito até a ganhar pizza quando a gente pedia! Mas tem uns que meu Deus ninguém merece!

    Te acompanho de boníssimo grado nessa missão de amar o porteiro do seu prédio sem motivo. A experiência me ensinou que pessoas idosas podem ser extremamente dóceis e interessantes ou igualmente rudes e desagradáveis, ainda bem que encontrei mais gente do primeiro grupo haha

    beijos!

  • Leave a Reply