Pessoal

O tempo passa

Vai fazer um mês que tenho dezenove anos, e agora que parei para pensar. O tempo é muito relativo. A data na carteira de identidade parece cada vez mais remota, mas eu ainda me sinto tão nova. Mais velha (e madura, espero) a cada dia, mas ainda assim muito nova.
Até que eu lembro que minha avó casou quando tinha exatamente a minha idade. “E já estava ficando passada” ela diz. Com a minha idade, apenas alguns meses a mais, ela teve o primeiro filho. Quando a minha avó tinha a idade que eu tenho hoje, ela já tinha um marido, uma casa, um nenê para cuidar. E o que eu tenho?
Eu tenho o ela não teve. Eu tenho viagens com os amigos, tenho a faculdade, tempo para mim. Minha avó, na minha idade, já era adulta. Eu ainda sou meio criança.
Eu estudo, moro com meus pais, brigo com meu irmão, estudo para provas e vou ao cinema. Ela fazia tudo isso? Não creio. Ela tinha coisas que eu não tenho, e eu tenho coisas que ela nunca teve.
Às vezes eu olho para a minha vida e penso que em um piscar de olhos tudo pode ser diferente. Daqui a algum tempo eu posso ter minha própria casa, minha própria família. Eu vou ter tudo o que ela tem, mas ela provavelmente nunca vai ter tudo o que eu tenho.
Eu olho para ela, e ela não parece infeliz. Muito pelo contrário. E o que eu me pergunto é se, quando eu tiver a idade dela, eu também vou ter isso, ou se nossas vidas ainda vão ser diferentes assim.
Previous Post Next Post

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply Ana Luísa 1 de agosto de 2011 at 23:22

    Ai Pa, já tinha parado pra pensar nisso, mas agora parei de novo, realmente. E é impressionante também como muda a cabeça das pessoas em relação a várias coisas.. Minha avó com 19 estava se casando com meu avô, que tinha 35, era viúvo, e pai de 5 filhos. Se eu chego em casa noiva de um viúvo de 35 anos com 5 filhos, meus pais me deserdam, COM CERTEZA. E muitas coisas que hoje são vistas com naturalidade, antigamente eram bizarras. Sendo assim, acabo de concluir que as pessoas não ficam menos caretas com o passar do tempo.. só.. mudam as caretices! hahaha
    Beijos!

  • Reply Amanda B. 2 de agosto de 2011 at 12:04

    São tempos diferentes, hábitos diferentes, pessoas diferentes :c Capaz da sua avó olhar e pensar “meu Deus, que diabos essa menina tá fazendo? Na época dela eu fazia (insira aqui um fato diferente que ela acha que é o certo a se fazer)”. Isso acontece com minha mãe e eu! Com a avó deve ser muito mais DD8
    Talvez no futuro cê se sinta tão tranquila quanto ela… Se você se sentir satisfeita com o que está vivendo, certamente vai preferir apenas assistir a futura geração com suas bizarrices, heuhe
    :*

  • Reply Laís 3 de agosto de 2011 at 23:12

    Muito bonitinha a comparação da sua vida com a da sua avó. Acredito que a sua avó tenha aproveitado bastante, ao jeito da época, e por isso esteja feliz. Afinal, não tem como sentir falta do que não se conhece, correto?

    Seu estilo de vida agora é outro, logo, se você aproveitar sua vida ao estilo da sua avó, você se sentiria vazia, meio incompleta. Hoje os pensamentos são muito diferentes… Mais independentes e tardios (casamentos e talz)

    Aposto que você na idade dela se sentirá feliz também, e que a sua neta se fará a mesma pergunta: como ela consegue ser feliz vivendo numa época daquelas? hahaha

    Beijos ;*

  • Reply Gab 4 de agosto de 2011 at 02:04

    É, antigamente várias coisas que hoje achamos meio bizarras eram super naturais. Mas era a vida deles, e era assim que nossos avós eram felizes, assim como somos felizes agora tendo faculdade, cinema..essas coisas.
    Eu tenho 20 anos e sinto como se tivesse 16, não de cabeça, claro, mas sei lá, não parece que eu já tenho 20.
    Beijo.

  • Leave a Reply