Pessoal

Quando eu crescer…

Mais indecisa do que eu, não existe. Na minha vida já quis tanta coisa que quase não dá mais para contar nos dedos. A primeira coisa que eu me lembro de querer ser foi Promotora de justiça. Meio incomum para uma criança pequena, mas foi influência daqui de casa. Resumindo, a primeira faculdade que eu considerei foi a de Direito.
Despois disso minha paixonite por criancinhas fez com que eu quisesse ser Pediatra. Consequentemente, a faculdade número dois foi Medicina. Com o passar do tempo, lembro de ter considerado outras coisas: Publicidade, Comunicação Social, Relações Públicas e, logo antes de tomar minha decisão, Relações Internacionais. No fim de tudo (surpresa) voltei para Direito.
O que aconteceu no meio do caminho se deve a um fato simples: eu nunca gostei de Direito. Foi sempre uma opção muito bem colocada na minha lista, mas nunca me seduziu, como profissão em si. Por que então foi a ganhadora, ora bolas? Podem me perguntar, eu perdôo. Influência da família, como vocês podem adivinhar, foi um grande empurrão. Outro fato foi algo que, por mais que a gente não queira, é obrigado a considerar na hora da escolha: o mercado de trabalho é muito variado, e os salários são bons. Não quero advogar, pelo menos por enquanto essa não é minha meta, mas já que estamos falando sério, há centenas de concursos para quem é formado nessa área, públicos ou não. Então aqui estou eu, em quase-desespero esperando a resposta para se eu vou ou não realizar meu não-sonho esse ano.
Fazendo uma emenda, antes de partir. Não pensam que eu desisti do meu sonho por pressão ou ganância. Eu não sou tão fraca assim. Acontece que eu nunca tive um sonho profissional. Nunca houve nada que eu amasse fazer e que eu quisesse fazer pelo resto da vida, nada que me causasse paixão. Eu amo escrever, por exemplo, mas é o ato de escrever, não a profissão de jornalista. E não está excluida a possibilidade de um dia eu vir a escrever um livro. Eu tenho sim um sonho de outro tipo, e esse influenciou a minha escolha, mesmo indiretamente.
Meu maior prazer e sonho é viajar o mundo, sem obrigações, sem ter que trabalhar, só viajar por viajar, para conhecer os lugares. E como se faz isso sem dinheiro? Bem, se alguém descobrir, me conte. Por isso a parte financeira é tão importante para mim.
Não quero que ninguém pense que eu sou louca, e que escolhi conscientemente passar o resto da minha vida infeliz presa em um trabalho que eu detesto. Mas eu preciso dar uma chance para ele antes de decidir que eu detesto. Eu tenho procurado bastante coisa na internet. Orkut, sites, textos sobre o Direito em si e pessoas que tem paixão por isso. E eu tô começando a gostar, de verdade. De um jeito estranho, eu sei, mas pode ser algo que eu goste de fazer, por que não? Só depois eu vou descobrir.

Texto postado originalmente no WordPress.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply