Pessoal

Senhoras e senhores, respeitável público…

Os dias passam, a crise vai junto. Estou preparada psicológicamente pra desidratar todos os centímetros quadrados do meu corpo no último dia de aula. Esse ano merece isso. Mas não é esse o ponto agora, talvez pra mais tarde. só sei que ia tomar muito tempo, que eu não tenho nesse exato momento, e também ia fugir do propósito da visita de hoje.

Há quanto tempo eu não me divertia desse jeito? Eu me divirto muito com os meus amigos. Na escola, nas festas do pijama from hell, mas é um tipo diferente de diverção. É aquela diversão que tem algo a mais. Eu já mensionei alguma vez o quanto eu gosto de dançar? Bem, eu acho que não, mas então fica dito aqui. Bem, eu gosto de dançar e eu poderia fazer isso o dia inteiro todos os dias da minha vida, em competição ou não, ganhando em último ou em primeiro. Porque perder é absolutamente impossível. Faz eu me sentir bem. Acho que é o que eu mais gosto de fazer entre todas as coisas. O que mata é a vergonha… Mas até ela sede um espacinho eventualmente pra essa sensação boa que cada parte do meu corpo pede.

Contando os minutos para a apresentação do trabalho em grupo próxima quarta-feira. Uma hora e meia de tema livre. E agora? Desespero. Muita bricadeira, risadas, e o desespero só pra dar um toque especial. Tema: Circo. Divertido, não? Bem, eu não recomendo a ninguém que tenha amor próprio. E eu realmente queria que alguém tivesse me dado esse conselho antes também. Agora é tarde. Vamos em frente. Sei que estou abrindo o trabalho ao público desse jeito, mas eu tenho a máxima confiança nas pessoas que sabem do que eu tô falando e tem conhecimento desse blog, então não é com isso que eu vou me preocupar agora.

O alvo das minhas preocupações do momento é como fazer isso sem ficar chato! Sim, sei que é difícil usar palavra circo e chato num texto só e com ligação semântica. Pelo menos pra mim é. Circo pra mim é um lugar mágico e encantado. Mas como se reproduz isso em um auditório? É fala, fala, fala, alguns vídeos sem muita graça e alguma encenação pobre e escaça espalhada aqui e ali. Sinseramente não é um trabalho que eu esteja orgulhosa nem com a mínima vontade de apresentar. Eu queria algo mais, eu queria só um pedacinho, um centésimo que fosse, da alma do circo naquela sala, durante aquela hora e meia. Alguém tem alguma dica? O melhor que eu consegui foi sugerir que sentássemos em roda, usássemos alguma droga muito dumal, atingíssemos o nirvana e esperássemos a idéia cair na nossa cabeça. Pena que minha sgestão não foi muito bem aceita… Brincadeiras à parte, eu realmente estou aberta e agradeço do fundo do coração qualquer sugestão viável.

Hahaha. apesar do que possa parecer, esse texto não foi um pedido de doações para caridade. ;D

Texto originalmente postado no Uol blog.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply