Pessoal

Ser gente grande

Em uma idade em que a maioria dos adolescentes quer se provar adulto, eu insistia em me afirmar criança. Eu ia mais além, batia o pé e repetia que não ia crescer, que eu ia continuar criança para sempre. Não sei porque eu fazia isso, talvez eu tenha pressentido já novinha que a vida de adulto não tem lá esse glamour todo que as crianças gostam de imaginar. Talvez eu só fosse teimosa mesmo.

Mas, infelizmente, o tempo passa e até a teimosia tem que dar lugar à vida real. Quer eu goste, quer não, não tenho mais quinze anos de idade e, ainda que a gente não vá de encontro à vida de adulto de braços abertos, a danada acaba pegando a gente.

Agora eu estudo coisa de gente grande, visto roupa social, passo as tardes sentada em um escritório cheio de outras gentes grandes, mexendo em papéis e, de vez em quando, olhando pela janela para me torturar com o dia lindo que faz lá fora enquanto eu estou lá dentro. Agora eu pago pela “reforma” do meu quarto, e pelos meus sapatos fora de hora, tenho uma agenda preta sem adesivos e cheia de listas de coisas para fazer. Agora eu tenho uma carteira de motorista e nenhum carro, e tenho que tentar ser madura o tempo todo.

Agora, que finalmente cheguei desse lado da ponte, eu continuo sem saber qual a graça que as crianças veem nisso tudo. Mas pelo menos não encontrei também o grande terror que eu esperava encontrar depois de virar a esquina. A bem da verdade, eu acho quem se é isso que significa ser gente grande, tudo bem. Eu posso viver com isso.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

11 Comments

  • Reply Rafaella Soares 4 de julho de 2012 at 11:19

    Eu também não quero mais brincar de ser gente grande. Já deu, né? A gente já conseguiu o que queria, já vimos, tá na hora de voltar pra brincar de ser criança. Mas né. A vida nem sempre nos dá essa escolha… Então já que estamos nessa vida, vamos seguir…

    Ai, ser adulto é tão chato. ):

    Beijos gata!

  • Reply Fran Carneiro 4 de julho de 2012 at 15:16

    Pa! =)

    Pode ser que ser gente grande não tenha o glamour que imaginamos quando criança, mas ainda bem que também não é pesadelo, né?
    Às vezes me sinto assim, mas sei que tem coisas da Fran-criança que não sei abandonar (como a agenda de Bichinhos ♥).

    :*

  • Reply Gabriela, 4 de julho de 2012 at 17:08

    É que assim: tudo tem um lado bom e um lado ruim.
    É bom ser gente grande e ter as próprias responsabilidades, mas também tem uma hora que cansa. E ser criança também não são tudo flores..eu lembro de querer crescer logo para poder fazer mais coisas. hahaha
    Adorei teu texto, Paloma.
    Beijo! <3

  • Reply Mayra 4 de julho de 2012 at 19:12

    Sou bem assim também, com doze anos e brincando de barbie enquanto o resto das meninas estava passando maquiagem e tentando ficar com meninos. Fiz 18 anos e ainda me tortura essa ideia de que a vida adulta está para chegar em breve. Belo texto! <3

  • Reply A felicidade é um estado de espirito 4 de julho de 2012 at 21:24

    Crescer nem sempre é fácil e como diz a Meredith Gray depois que passa a idade do primeiro sutiã as responsabilidades sp aumentam mas a vida adulta também tem sues bônus.

  • Reply Alessandra Rocha 4 de julho de 2012 at 21:49

    se não pudesse também, fazer o que? não é como se a gente tivesse essa opção né?
    Ser gente grande não é fácil, assusta e frustra 90% do tempo, mas sempre tem aqueles outros 10% que é o gostinho de poder comprar o sapato, ou sair de role sem ter que pedir dinheiro pros pais, de ter a cara de pau de poder pedir o carro emprestado, de ligar pra mãe e falar “não sei que horas volto”… Sei lá, crescer e ser gente grande nem sempre significa deixar de ser criança, pra mim pelo menos é mais uma questão de aprender a equilibrar esses dois lados… Na vida tudo tem remédio, só não tem remédio pra morte (;

    beijo coisa linda

  • Reply Rúvila Magalhães 5 de julho de 2012 at 11:54

    Ah, Paloma, você só me lembrou que em 1 mês eu vou completar 20 anos e tô morrendo de medo disso!

    Acho q esse título era da Analu, não?
    beijos

  • Reply Anna Vitória 5 de julho de 2012 at 22:57

    Palominha, eu era dessas crianças que queria demais crescer. E hoje, já crescida, queria também poder voltar e contar pr’aquela Anna Vitorinha que a vida de gente grande era bacana, mas que não valia nem um minuto da infância que eu tanto deixei de curtir pra tentar ser grande.
    Ai ai ai.
    beijo

  • Reply Ana C. 7 de julho de 2012 at 00:30

    FELIZ ANIVERSÁRIO, PÁ! <3

    Ser gente grande realmente não é tão ruim/difícil quando a gente preserva nossas melhores características infantis. Desconfio seriamente que é por isso que você está se saindo bem. Aliás, desconfio que você está se saindo super bem ^^

    Beijo, pessoa gente grande ;*

  • Reply Tay 8 de julho de 2012 at 19:11

    Ah, eu era dessas crianças que queriam crescer o mais rápido possível, agora fico me perguntando se tem como fazer o contrário e voltar a ser criança.
    bjus ;*

  • Reply Luly 8 de julho de 2012 at 21:57

    Brincar de ser gente grande realment enão é a cois amais divertida do mundo… Eu era que nem você, odiava minhas amigas querendo crescer enquanto eu queria brincar de boneca e etc, hahahaha
    Mas é a vida, né?? A gente passa grande parte delas como adultos, e temos que vive-la, apesar de tudo…

  • Leave a Reply