Pessoal

Sinônimo de preguiçosa

Também conhecida como eu. Eu dei uma grande sorte na loteria genética da vida. Se minha mãe inteligente não tivesse encontrado meu pai inteligente, namorado com ele, casado com ele e tido filhos com ele, eu estaria em sérios apuros. Não estou me gabando, longe disso, só estou agradecendo aos céus rapidinho.
Acontece que eu nunca gostei de estudar na vida. Quando era pequena, mamãe me fazia sentar a bunda na cadeira e estudava comigo, me colocava de castigo até eu decorar a droga da tabuada e fiscalizava se eu tinha feito todos os meus deveres de casa. Santa mulher. Quando comecei a estudar sozinha, lá pela quinta série, é que veio o problema. Foi quando eu comecei a ver que, se eu prestasse atenção nas aulas, poderia muito bem trapacear na hora de estudar em casa e não perder meu posto de melhor da turma. E isso virou um hábito.
Quando passei para o Ensino Médio, fui parar em uma escola “difícil”, onde mamãe tinha estudado e que devia me fazer conseguir entrar numa faculdade. Todos aproveitaram essa fase pra me dizer que eu já devia começar a estudar para o vestibular se eu quisesse passar, que eu tinha que ter responsabilidade e coisas do tipo. E eu acreditei. Por um tempo, pelo menos. Comecei o primeiro ano estudando e fazendo deveres de casa. Até que eu parei, e o resultado foi o mesmo de antes, nenhum. Nos três anos seguintes eu tinha provas aos sábados, e sexta-feira virou meu dia oficial de “estudar” na semana. Não só passei, como passei muito bem no primeiro e no segundo anos.
Chegando o terceiro ano, era a hora da verdade. Fiz meu pai comprar dois livros de história pra mim, além das apostilas da escola e comecei o ano pronta para me dedicar. Comecei a ler os livros. E parei. Eu continuei prestando bastante atenção nas aulas (esse sempre foi meu ponto forte), e até estudava alguma coisa em casa. Mas os livros continuaram lá, só fui tentar pegar neles de novo faltando um mês para as provas do vestibular. Mas o castigo veio logo: passei para todas as faculdades, menos para a que eu queria mesmo.
Entrei na faculdade, e as coisas não se modificaram. Todo começo de semestre eu prometo para mim mesma que dessa vez vai ser diferente, mas é sempre igual. Eu começo o período lendo os textos, lendo os livros e acompanhando pelo caderno, então em duas semanas eu esqueço de tudo e só volto a estudar no dia anterior à prova.
Eu sei que não pode ser assim para sempre, afinal de contas meu objetivo é prestar concurso público e não é enrolando que eu vou me dar bem neles. Acontece que esse ‘limite’ chegou um pouco antes do que eu esperava. Decidi que ia fazer um concurso de nível médio esse ano e ia levar à sério, porque quero passar. Comprei apostila e lá vamos nós.
Comecei nem muito bem, naquele jeito enrolão que me é peculiar. Pior ainda que muitas coisas que caem já estudei na faculdade, o que sempre faz com que eu me acomode. Felizmente convenci dona Moms a fazer também. É muito engraçado, e me chamem de maria vai com as outras quem quiser, mas ver ela estudar me estimula (nem que seja por culpa) a estudar também. É assim que eu funciono, por estímulos. E é assim que tenho avançado rumo a esse meu novo objetivo, a passos exitantes, mas são passos. Me desejem sorte.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply Ana Luísa 23 de janeiro de 2012 at 21:55

    Pá, juro que quando comecei a ler, pensei: “Essa menina é doida, foi inventar de fazer DIREITO sem gostar de estudar”, porque pelo que ouço falar, é um curso que tem que COMER livro, hahaha.
    Mas te entendi, guria, eu também sempre pego as coisas no ar na sala, e tiro notas mais altas que minhas amigas que estudam. Na escola eu era bem caixias, quando tinha prova, passava o dia estudando. Chegou no 2º ano do Ensino Médio eu pirei! Não conseguia mais pegar num livro, sério. Só estudava pra biologia, que sempre amei. Dormia em cima dos livros de história. De matemática e física eu abri mão completamente. Não sei como passei, mas passei sem pegar nenhuma recuperação. A única faculdade que eu tentei foi a PUC, e eu passei. E no curso de jornalismo tem muito mais trabalho que prova, e quando tem prova, por mais que eu jure que vou estudar, eu não estudo. Leio 2 ou 3 frases do meu caderno, 5 minutos antes da prova. Não sei o que me deu, mas eu simplesmente não consigo mais estudar. Só pro teatro. Aí, o que vem na minha frente eu como mesmo, seja xerox, livro, texto, mas eu estudo como se tivesse brincando, porque eu me apaixono pelo conteúdo, que nem era com biologia, hahaha.

  • Reply Larissa L. 23 de janeiro de 2012 at 23:27

    Boa sorte, então, Paloma!!!

    Invejo vc viu? Meu irmão é que nem vc, nao precisa estudar pq consegue pegar as coisas na aula e td mais…! Eu, ao contrário, preciso estudar pra aprender alguma coisa, se for algo que não estimula e me interessa! Não passo mais o semestre inteiro estudando coisas q nao me interessam e até acabando me ferrando, mas aquelas que me interessam eu estudo com mt prazer!

    Se tem uma coisa que passei a odiar desde a faculdade é fazer prova, mas tb vou ter q me acostumar no ano que vem! De qq forma dá pra ir treinando, o que com a faculdade nao dá pra fazer..!

    Bons estudos!
    Beijossss

  • Reply Cih 24 de janeiro de 2012 at 11:42

    Boa sorte!!
    Eu sempre tive preguiça pra muitas coisas, pra estudar até que não, mas tenho preguiça para começar coisas, a prova é de que já tenho quase 23 anos e não entrei na faculdade ainda =P, mas desse ano não passa, porque já é tempo de tomar vergonha na cara rsrs!
    Beijos

  • Reply del 25 de janeiro de 2012 at 11:33

    Ah, todo mundo funciona a base de estímulos! Seja com a mãe, namorado, pai, irmã, cachorro, papagaio… O importante é ter motivação pra continuar seguindo o caminho. Concurso público é uma carreira difícil, necessita muita disciplina e força de vontade. Sei disso porque meu namorado também estuda pra um concurso de nível médio, e o pobrezinho sofre, abre mão de muitas coisas pra conseguir passar. No final, porém, é gratificante ver que somos capazes de atingir nossos sonhos! Ou seja, você só tem a ganhar 🙂 basta respeitar seus limites e seu jeito de estudar (porque cada pessoa aprende e decora de um jeito diferente). Boa sorte, linda!

  • Leave a Reply